A tecnologia é incontestavelmente apontada como fundamental para o crescimento e sucesso das organizações. É, portanto, curioso verificar que, num mundo cada vez mais tecnológico, são as competências pessoais e não as técnicas que assumem um papel de destaque.

Em qualquer organização, independentemente da sua dimensão ou área de atuação, a tecnologia surge omnipresente. O sucesso – acreditamos! − está ao alcance das empresas dotadas de meios tecnológicos e de profissionais com as competências técnicas necessárias. Os soft skills foram particularmente relegados para segundo plano em profissões e áreas com forte ligação às tecnologias de informação, onde habitualmente é exigida uma menor interação pessoal – curiosamente uma caraterística frequente em profissionais de áreas tecnológicas é a introversão ou a dificuldade de expressão e comunicação.

É, aliás, a crescente utilização das tecnologias no ambiente de trabalho que vem evidenciar as lacunas nas competências pessoais: por ser mais eficiente, no nosso local de trabalho somos incentivados a comunicar por e-mail ou programas de mensagens instantâneas ou estar focados no ecrã do nosso computador, reduzindo a um mínimo o contacto pessoal.

Mas atualmente a proficiência em tecnologias de informação não é, por si só, garantia do sucesso empresarial e os gestores apontam competências pessoais, como a atitude positiva ou a forte capacidade de comunicação, como sendo mais importantes que os tradicionais hard skills associados às funções dos colaboradores. A capacidade de comunicação é particularmente importante para permitir o alinhamento dos departamentos de TI com as necessidades e objetivos das suas organizações, mas também para os profissionais explorarem em pleno o seu potencial.

Quando falamos de bons comunicadores temos tendência a imaginar um orador em frente a uma vasta plateia. No entanto, não é apenas neste cenário que são importantes os skills de comunicação. Na verdade, e na maior parte dos casos, a comunicação dá-se entre dois colaboradores, entre um colaborador e o seu gestor, entre um grupo de colaboradores ou entre um colaborador e o cliente. Em qualquer um destes casos, a capacidade de passar a mensagem de forma articulada e eficaz é fundamental.

Nas organizações, os profissionais de tecnologias de informação devem ser capazes de comunicar com outros colaboradores e com os seus gestores, transmitindo com clareza as ideias e informação, ultrapassando eventuais barreiras levantadas por informação demasiado técnica ou pelo uso do jargão habitual da sua área profissional.

Apesar de consideramos que a aptidão para a comunicação nasce connosco, é possível e desejável reduzir o impacto de eventuais lacunas e melhorar essas competências através de treino e prática. Cabe aos gestores identificar essas lacunas nos seus colaboradores e proporcionar as ferramentas e o ambiente propícios ao desenvolvimento de boas competências ao nível da comunicação.

Desenvolver bons skills ao nível de comunicação implica preparação. Preparação para o diálogo e para a argumentação, sempre que necessário, é fundamental, em especial para os profissionais que habitualmente não necessitam de se expressar em público ou em contexto de grupo de trabalho. Estar preparado para um diálogo ou uma apresentação contribui para a autoconfiança do profissional nas suas capacidades de comunicação.

Muitos profissionais têm medo de falar em público. Isto é algo que é natural e comum a praticamente todos. Existe, no entanto, em alguns profissionais o perigo de esse desconforto ser tão forte que se torna numa fobia, numa barreira e, portanto, num handicap. Trabalhar a comunicação implica assumir esse medo mas ao mesmo tempo conseguir ultrapassá-lo e saber que, com o decorrer da apresentação ou do diálogo, essa sensação tenderá a reduzir e a comunicação a fluir com naturalidade.

Mas a comunicação não depende apenas da capacidade de falar e argumentar. É necessário também saber escutar. A capacidade de dar a palavra, ouvir e interpretar é tão ou mais importante. A boa comunicação funciona nos dois sentidos e tanto é importante conseguir transmitir informação de forma clara e eficaz como a capacidade de receber e interpretar a informação que nos é transmitida.

A tecnologia tem evoluído a um ritmo cada vez mais acelerado, trazendo potencialmente enormes benefícios para as organizações. No entanto, será com recursos humanos qualificados a nível da comunicação que as empresas conseguirão explorar ao máximo estes benefícios. Num mundo empresarial em que a recolha, transmissão e partilha de dados é tão importante, a capacidade de interpretar e contextualizar essa informação é fulcral para o sucesso das organizações e essa capacidade é, também ela, saber comunicar.

Previous post

Business Intelligence e os seus desafios - por António Luís

Next post

Mês Global de Voluntaria​do na UPS

Cristina Barros

Cristina Barros

Managing director do IIRH

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *