ArtigosAtualidade

ARTIGO: Como atrair, captar e manter as pessoas certas nos lugares certos

Quando falamos em Recursos Humanos, falamos de pessoas e, por isso, abre-se desde logo a porta a um mundo infindável de possibilidades e, sobretudo, de desafios. Na Crioestaminal, temos uma política corporativa de Recursos Humanos que visa, acima de tudo, satisfazer o colaborador e as suas ambições, estimulando a sua criatividade e promovendo o crescimento, não só profissional como pessoal.

Um dos maiores desafios da atualidade em Recursos Humanos é exatamente capitalizar as competências de cada um e mantê-los nos lugares certos. Sabemos que os candidatos procuram empresas e organizações com as quais se identificam, empresas que se preocupem com eles e com o meio envolvente, e onde se sintam bem. Os valores e missão da empresa têm hoje mais importância para os candidatos do que comumente se assume e os recrutadores devem ter esta ideia em mente. A fronteira entre a vida profissional e a vida pessoal é cada vez mais ténue: as pessoas estão disponíveis para continuar a trabalhar em casa, respondendo a e-mails, atendendo chamadas telefónicas ou a dar seguimento ao trabalho diário, mas a partir de casa. E fazem-no por gosto. Contudo, também precisam de sentir que têm tempo para as suas atividades pessoais e algumas empresas ainda têm dificuldade em lidar com esta nova realidade e não contabilizam esta disponibilidade como “trabalho”. Este é outro dos grandes desafios atuais dos Recursos Humanos e na Crioestaminal já demos esse passo há algum tempo, permitindo aos nossos colaboradores uma flexibilidade que se tem traduzido numa maior produtividade e, sobretudo, num sentimento muito visível de motivação e felicidade. Por outro lado, tentamos que os nossos colaboradores sintam, na Crioestaminal o mesmo conforto que sentem em casa. Entre outras iniciativas, temos uma sala de convívio com mesa de ping-pong e outros jogos e uma bicicleta elíptica que pode ser utilizada a qualquer hora do dia. Fomentamos fortemente a entreajuda, oferecendo trimestralmente um prémio, o CRIOSPIRIT, em que os colaboradores são convidados a nomear um ou mais colegas e distingui-los seu espirito de equipa ou envolvimento com a empresa e os projetos, neste contexto as características individuais são muito importantes.

No que diz respeito ao recrutamento, ferramentas como o LinkedIn, por exemplo, têm-se revelado imprescindíveis para ir ao encontro dos perfis e das mais-valias de cada um, assim como o contacto permanente que mantemos junto das Universidades. Utilizamos ferramentas home-made que têm resultado muito bem, desenvolvemos questionários internos para cada processo de recrutamento específico e analisamos com o mesmo rigor, transparência e dedicação todas as candidaturas espontâneas que nos chegam.

Cada um dos nossos colaboradores é único para nós e procuramos cumprir as expectativas individuais de cada um, dentro das possibilidades da empresa e requisitos da função que desempenha. Cada colaborador Crioestaminal é o nosso melhor embaixador, sabemos isso. Orgulha-nos saber que, de forma espontânea, os nossos colaboradores apresentam a empresa aos seus grupos pessoais, escolas dos filhos, empresas de familiares, etc. Por isso, quando recrutamos, queremos, além das competências técnicas adequadas à função, que a pessoa revele, de forma natural, identificação com a nossa missão. Tendo a Crioestaminal um grande foco e provas dadas na Investigação e Desenvolvimento (I&D), procuramos colaboradores que demonstrem curiosidade particular por esta área. Podem não saber nada sobre células estaminais, nem mesmo sobre criopreservação, mas têm de demonstrar interesse e vontade de aprender. Não importa se é para a área financeira, logística ou laboratório, desde o início, o entusiasmo pelo que fazemos tem que estar presente nos candidatos. Quando procuramos candidatos para uma função técnica, por exemplo, naturalmente, que têm de possuir pré-requisitos relacionados com a especificidade em causa, mas a seleção e a decisão de recrutar um ou outro candidato prende-se, sem dúvida, com os aspetos comportamentais e relacionais.

A partir daí tudo é mais fácil, mas é também imprescindível que os colaboradores se sintam donos do seu trabalho. A possibilidade de sugerir e fazer acontecer mudanças, ainda que pequenas, é muito importante para a motivação e gosto pelo que se faz. Além disto, as organizações tem que estar sempre atentas às suas pessoas e estimular a mudança dentro da empresa sempre que possível. Na Crioestaminal contamos várias pessoas que, ao longo do tempo, mudaram de função. Isto também requer disponibilidade por parte da empresa. É necessário estar disponível para perder “aquele técnico de laboratório tão bom”, dar-lhe formação, para ganhar depois um ótimo gestor de clientes, por exemplo. Atualmente, as pessoas querem experimentar funções e experiências novas, mudar deixou de ser um problema. No entanto, em algumas áreas com menor oferta, a mudança continua a ser difícil. Se os colaboradores se sentirem bem, e com desafios constantes, não deixam o seu lugar. Contudo, mesmo nestes casos, o desafio tem de existir, pois se não existir, e se a oferta de emprego na zona onde está for reduzida, ficamos com empresas cheias de gente desmotivada. Na Crioestaminal, sabemos que a política de Recursos Humanos é eficaz quando temos índices que nos revelam que todos os colaboradores que deixaram a empresa, até à data, fizeram-no para abraçar projetos noutras áreas de negócio.

 

Autora: Alexandra Mendes, Diretora de Recursos Humanos da Crioestaminal

A Alexandra Mendes irá ser uma das oradoras da RH Conferência 2017, dia 8 de novembro, em Lisboa, onde irá debater esta temática.

Mais artigos de interesse:

Previous post

NOS Açores Try-Out

Next post

Jorge Martins, CEO, Capgemini Portugal - “O talento é claramente um "bem" a proteger”

Ana Silva

Ana Silva

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *