Fórum RH 2017: veja as fotos!!!

A 23.ª edição do Fórum RH, que decorreu na passada terça-feira, dia 16 de maio, no Estádio do Sport Lisboa e Benfica, revelou-se como mais um grande sucesso.

Evento que é referência para os responsáveis de recursos humanos, teve este ano Cathy O’Dowd como keynote speeker. A alpinista sul-africana, primeira mulher a subir ao Everest pelas duas faces, fez as maravilhas da assistência com uma intervenção sobre o tema “Doing what has never been done before”.

Durante o dia, e ao longo de 14 mesas redondas, que tiveram lugar nas duas salas do evento, foram abordados temas como a felicidade e bem-estar nas organizações, formação, recrutamento, employer branding, transformação digital, equipas multigeracionais e multiculturais, engagement, captação e retenção, entre muitos outros. Espaços de reflexão que foram, também, intercalados com importantes momentos de networking, sempre essenciais em qualquer que seja a área de negócio. No final do dia, uma pequena surpresa com a intervenção do treinador da equipa principal do Sport Lisboa e Benfica, Rui Vitória, que revelou um pouco da sua experiência na gestão de um grupo multicultural, como é o caso de um plantel de profissionais de futebol, e das dificuldades de comunicação que, por vezes, surgem no dia-a-dia.

Veja a reportagem completa na próxima edição da RHmagazine – edição de julho/agosto.

 




Portugal no top 10 das melhores cidades para se ser freelancer

Estudo revela Lisboa e Porto no top 10 das melhores cidades para se ter uma carreira de freelancer em 2017.

O estudo realizou uma pesquisa online para mais de 90 países e 23 diferentes factores. Lisboa foi escolhida como a melhor cidade pelos preços baixos, rápida internet, bom tempo no verão e segurança da cidade.

Porto segue um caminho semelhante mas ficou no 10º lugar, sendo que o top 5 é ainda ocupado por duas cidades espanholas e duas norte americanas.

 

Conheça melhor o estudo na página web.

 

Outras notícias




Impacto da comunicação interna na política de recursos humanos

A comunicação interna tem papel fundamental na área de recursos humanos das organizações, ambas devem andar juntas para o bom entendimento das estratégias da empresa.

Autor : Jéssica G. Santin – Assistente de recursos humanos no Brasil.

A comunicação interna tem como ideias chave: ouvir, informar, apoiar e envolver todos da organização desde a diretoria até a fábrica. Pois uma comunicação eficaz não pode se deter apenas aos setores de gerência, todos devem saber o que a empresa deseja e onde quer chegar. O trabalho coletivo ou em grupos é muito importante nestes momentos.

Um fator que enriquece em muito a comunicação interna nas organizações é a valorização da contribuição dos funcionários nas tomadas de decisão e gestão da empresa.

Alguns pontos relevantes na comunicação interna eficaz:

  • Ouvir os colaboradores: uma relação boa é uma relação de confiança. Para isso o primeiro passo é ouvir os colaboradores.
  • Informar os colaboradores: é importante que os colaboradores conheçam as linhas diretoras da empresa, os objetivos, a missão, a visão e que, para, além disso, sintam que são ouvidos nas questões importantes.
  • Dar competências para o futuro/ potenciar o crescimento: é importante que a empresa desenvolva um plano de formação que contemple o desenvolvimento das competências pessoais, válidas em qualquer contexto, e o enriquecimento do colaborador, que possa representar um valor a mais em outro contexto de trabalho com que se venha a confrontar.

Os benefícios da boa comunicação interna são vários, podemos citar alguns como: do ponto de vista de recrutamento, uma empresa com boa imagem interna e externa e uma reputação no que toca à forma como trata os seus colaboradores terá necessariamente mais facilidade em recrutar pessoas bem qualificadas para os lugares que tenha disponíveis. A rotatividade dos colaboradores será também menor, ou seja, a empresa terá menos custos de formação. Outro aspecto de que este posicionamento leva a uma redução de custos é a saúde.

A empresa ganha, ainda, a satisfação dos seus clientes, porque a imagem transmitida pelos colaboradores é mais positiva, a sua produtividade é maior e o que produzem tem uma qualidade superior.

Um lado da comunicação que a torna deficitária é o fato de muitas vezes não ter ninguém que queira realmente se responsabilizar por essa área ou assumir o repasse correto das informações.

Artigo retirado do site.

Outras notícias




Group Solutions é vencedora na Conferência Anual da APCC

13ª edição da Conferência Anual da Associação Portuguesa de Contact Centers, subordinada ao tema: “Bots or Humans? Or both?”.

Esta edição contou com a presença de oradores qualificados, nacionais e estrangeiros, que partilharam o seu testemunho sobre temas da atualidade e perspetivas de evolução nesta atividade.

A Group Solutions, marca ManpowerGroup, assinalou a sua presença e viu premiado e reconhecido o seu posicionamento enquanto empresa inovadora que aporta valor à gestão do relacionamento dos seus clientes com os clientes finais, com a obtenção de seis prémios.

Os seis prémios arrecadados incluíram o domínio da vertente Pessoas, Processos e Tecnologia, com natural destaque para as operações em instalações próprias. A Group Solutions venceu com todas as operações que gere em instalações próprias, o que reforça o seu estatuto como empresa prestadora de serviços full BPO.

A entrega de prémios decorreu durante a realização da 13ª edição da Conferência Anual da Associação Portuguesa de Contact Centers, no Centro de Congressos dos Estoril, que premiou os mais de 3.500 profissionais de Contact Center que representam a Group Solutions, os clientes e a toda a equipa.

Mais notícias:




META 4 aborda o tema da digitalização da economia no Fórum RH 2017

A Meta4 acaba de marcar presença Na 23ª Edição do Fórum RH, onde participaram mais de 50 oradores que debateram vários assuntos sobre a alçada dos Recursos Humanos.

 

A Meta4 teve um papel importante no debate, contribuindo com o tema da digitalização da economia, onde se procurou responder qual a abordagem mais correta para liderar a transformação da cultura das empresas para um ambiente digital de forma a facilitar a inovação e por consequente, a produtividade. Francois Coentro, responsável pela empresa em Portugal, participou na mesa aberta na perspetiva da empresa fornecedora dos serviços que auxiliam a mudança.

 

  • A META4 contribui para a transformação digital das empresas com o software aliado ao know-how da sua equipa
  • Responsável da META4 em portugal mostra a capacidade da transformação digital gerar impacto positivo em todas as empresas

 

Para 2017, a Meta4, presente nas mesas redondas e exposição, tem como objetivo dar a conhecer as mais inovadoras tecnologias, a sua aposta na Cloud e os benefícios que pode oferecer para a área de Recursos Humanos. O desafio das empresas hoje é a transformação digital, e a META4 diz ter os softwares e know-how necessários para ser o parceiro das empresas nesta mudança. Para Francois Coentro, é fundamental que todas as empresas tenham um plano de transformação digital que envolva os departamentos de recursos humanos. Este aspeto é fundamental tanto pela relevância dos RH na gestão das pessoas de toda a organização, como para os processos internos do departamento.

Se por um lado, a transformação digital é essencial para a competitividade e até para a sobrevivência das organizações, por outro, esta transformação tem de surgir da cultura empresarial, deverão ser identificados os elementos chave que adotarão mais facilmente os novos processos e que, ao mesmo tempo sirvam de embaixadores desses mesmos processos. É necessário mostrar os benefícios da Transformação Digital e é necessário incitar a própria gestão a dar o exemplo.

Durante este processo que terá naturalmente que ver com a estratégia da empresa é necessário alinhar os trabalhadores para as suas novas funções, e possivelmente haverá também novos lugares a preencher, ao que para isso é necessário formar, acompanhar e perceber quem está disposto e tem capacidade para liderar uma determinada nova tarefa. A transformação Digital é um processo em que deverá envolver-se toda a empresa, mostrar os benefícios e disponibiliza-los a todos, acompanhar e incentivar à mudança de forma clara e transparente.

O debate contou com a participação de Francois Coentro, Diretor de vendas da Meta4 em Portugal e com Alexandra Brandão, Diretora de RH do Santander, Elsa Ramos, Gestora de Serviços Gerais e RH do esporão e com Carla Caracol, Diretora de RH do grupo Renascença Multimédia e também moderadora desta mesa. O debate demonstrou as necessidades das empresas durante o processo de transformação digital e durante o mesmo foram dados alguns exemplos de necessidades reais e de como estão a ser tratadas, com o auxílio dos Recursos Humanos para serem superadas.

“O crescimento exponencial da Cloud generalizou e facilitou o seu uso. Hoje quere-se aproveitar a Cloud como ferramenta para transformar as empresas. Na transformação digital, a gestão de Recursos Humanos é o departamento com o papel mais ativo na implementação das mudanças, mas é também um dos departamentos que beneficiará a curto e a longo prazo com as tecnologias e novos processos. As novas soluções permitem aumentar a produtividade dos colaboradores e incentivam a ação proactiva, antecipando as necessidades das organizações o que, por consequência, permite alavancar o negócio e crescimento das empresas tornando-as mais competitivas graças a essa mesma antecipação do mercado e a ajuda do aumento de produtividade.”

Afirma François Coentro, Diretor comercial da Meta 4 em Portugal.

 

Este ano a 23ª edição do Fórum RH realizou-se a 17 de Maio no estádio da Luz, com um programa em que participaram mais de 50 oradores e 500 profissionais do setor. O evento contou também com um espaço de networking e duas salas de conferências paralelas com 50 oradores onde foram abordados os principais temas e desafios atuais do dia-a-dia dos departamentos de Recursos Humanos das empresas em Portugal.

 

Texto cedido por YoungNetwork Group.

 

Outras notícias




Médis garante destaque internacional com projeto inovador

A Médis, seguradora de saúde, foi distinguida a nível global com o EFMA – Accenture Innovation Awards 2017, na categoria de Melhor Produto e Solução Inovadora.

A Loja interativa da Médis, um projeto pioneiro em Portugal na área dos seguros, permite, de forma rápida, pesquisar informação sobre o serviço Médis através da televisão, dando a conhecer os benefícios das suas ofertas, fazer simulações e, inclusivamente, iniciar a subscrição de um seguro através do comando de televisão.

O Innovation in Insurance Awards é uma iniciativa conjunta entre a EFMA e a Accenture, que procura distinguir os projetos mais inovadores no âmbito dos Seguros à escala global. Em análise esteve a inovação e a disrupção dos serviços e as suas capacidades em substituir ou complementar a oferta ao mercado. O contacto com potenciais novos clientes, a abordagem a novos segmentos e a entrada em novas plataformas foram outros dos critérios em análise, tendo sempre por base a sua estreita relação com a inovação tecnológica.

Segundo Gustavo Barreto, Diretor Geral de Estratégia, Desenvolvimento de Negócio e Inovação da Médis:

“temos um compromisso para continuar a inovar na oferta, com uma abordagem interativa e disruptiva para – através da Televisão – aprofundar a relação com o consumidor naquele que continua a ser um dos canais de comunicação de eleição”.

O responsável refere ainda que:

“o objetivo é que a Médis possa continuar a apostar em conteúdos de prevenção e promoção da saúde altamente inovadores e disruptivos”.

O EFMA – Accenture Innovation in Insurance Awards foi lançado em 2016 com o objetivo de identificar e premiar os projetos mais inovadores da indústria Seguradora, tendo distinguido, em 2016, 224 inovações oriundas de várias partes do mundo. A organização pretende acelerar a transformação do setor Segurador, tornando-o mais ágil, responsivo, digital e preparado para os desafios das sociedades modernas.

“Esta distinção vem reconhecer a excelência das práticas da Médis, quer pela sua capacidade de disrupção, quer pelo serviço de proximidade que presta aos seus clientes, fazendo da nossa seguradora de saúde uma entidade mais próxima de todos os portugueses”.

Conclui Gustavo Barreto.

 

Outras notícias

AtualidadeRHmagazine

Edição nº 110 da RHmagazine – TALENTO PROCURA-SE!

“Nunca um editorial meu para a RHmagazine foi escrito em tão pouco tempo e de forma tão ágil. 15 minutos de leitura rápida do alinhamento editorial dos conteúdos, 5 minutos de relaxação para ativar a criatividade, 10 …

READ MORE →




easyJet anuncia o maior recrutamento de pilotos de sempre

A easyJet anunciou a 16 de maio que irá lançar uma campanha de recrutamento chamada “For the love of Flying” para atrair até 450 novos pilotos no início de junho.

Este será o maior recrutamento em massa na história da companhia – um aumento face ao recorde de 426 recrutados no ano passado. As oportunidades vão desde pilotos cadete a começar carreira, a co-pilotos com experiência, e comandantes de outras companhias e militares. Todos irão ter acesso a formação de alta qualidade e a um conjunto de oportunidades de desenvolvimento de carreira.

A easyJet emprega mais de 3.000 pilotos atualmente, que voam em mais de 265 aeronaves Airbus em cerca de 870 rotas e 31 países. Os novos recrutas irão juntar-se à companhia aérea num período entusiasmante de crescimento contínuo.

No próximo ano a easyJet irá criar novas posições para pilotos em todas as suas bases. No Reino Unido, serão em Londres Gatwick, Londres Luton, Londres Stansted, Londres Southend, Bristol, Newcastle, Glasgow, Edimburgo, Belfast, Manchester e Liverpool.

Cerca de 300 novos postos serão para pilotos cadete e haverá um foco particular no recrutamento de mais mulheres piloto como parte da iniciativa Amy Johnson da easyJet.

O Comandante Brian Tyrrel, responsável pelas Operações de voo da easyJet, disse:

“Estamos muito satisfeitos por abrir um processo de recrutamento para 450 novas posições de pilotos na easyJet nas próximas semanas. Na easyJet, orgulhamo-nos de ter uma equipa altamente talentosa e oferecemos aos nossos pilotos um percurso de carreira transparente, com oportunidade de desenvolvimento de First Officer a Comandante mais rápida que noutras companhias. Este é um período entusiasmante para entrar na easyJet, uma vez que continuamos a crescer e a desenvolver-nos de forma a manter a nossa posição como companhia aérea líder na Europa, e espero poder receber os candidatos escolhidos num futuro próximo.”

Os candidatos pode descobrir mais informação e concorrer aqui.

 

Outras notícias




Metade dos jovens portugueses destaca uma crise de valores no mundo profissional

Sondagem a jovens entre os 20 e os 40 anos retrata uma geração preocupada consigo própria e que destaca uma crise de valores no mundo profissional: 

  • Jovens colocam saúde (77%) e situação económica (70%) no topo das preocupações
  • 78% afirma que o mundo profissional dá cada vez menos importância aos valores
  • 60% a 70% considera estar em pior situação face à geração anterior
  • A capacidade de liderança é a competência profissional menos destacada
  • Razões económicas ou de pressão/competição no trabalho levam 30% dos inquiridos a afirmar não ter o número de filhos que gostaria
  • Mais de metade já foi confrontado profissionalmente com algum dilema ético

Metade dos jovens portugueses considera que a empresa onde trabalha não aproveita todas as suas capacidades. A conclusão é do estudo da ACEGE NexT, conduzido pela Netsonda, que avaliou 400 jovens de todo o país dos 20 aos 40 anos de idade, com o objetivo de conhecer os comportamentos e inquietações dos jovens em relação ao mundo profissional.

Em relação às preocupações dos jovens, a principal é ter saúde, com 77% das respostas. Seguem-se a situação económica, ou a garantia de independência financeira, com 70% dos inquiridos. Em terceiro lugar surge, com apenas 49%, a preocupação em constituir família e ter filhos.

Os inquiridos referem como preocupações menos importantes a vida espiritual/interiore o encontrar e assumir uma missão no mundo.

No plano profissional, o nível de remuneração está no topo das preocupações para 50% dos jovens, seguido de perto por conseguir conciliar a vida pessoal e profissional (45%) e por valorizar-se profissionalmente e potenciar as competências (44%). Como menores preocupações surgem o ter de ir trabalhar para o estrangeiro e o facto do curso que tirou não ter muitas saídas profissionais.

Quando comparada com a geração anterior, a maioria dos inquiridos considera que está melhor no acesso à educação e valorização pessoal (69%) e na qualificação para as funções profissionais (59%). No lado oposto, considera-se em pior posição relativamente à carga de horas de trabalho/stress (68%), à justiça salarial (62%) e oportunidades de progressão (62%).

No que se refere às competências ou soft skills, 74% dos inquiridos refere que ter capacidade de resolver problemas é a qualidade que melhor o caracteriza. Logo atrás, com 69%, surge “revelar profissionalismo” e, com 59%, “gerir-se a si próprio/autonomia”. Ter um papel de liderança surge no último lugar da lista de competências destacadas, com apenas 23% das respostas.

No capítulo dedicado à esfera pessoal e profissional, 30% dos jovens em Portugal afirma que teria mais filhos se a organização onde trabalha tivesse uma melhor política de conciliação família e trabalho.

O estudo revela ainda que para 78% dos jovens o mundo profissional dá cada vez menos importância aos valores humanos.

Outra das conclusões prende-se com questões éticas: quando questionados sobre se na sua realidade profissional já se tinham confrontado com dilemas éticos, 53% das inquiridos afirma que isso já lhe aconteceu, 41% relativamente à atuação de um colega/chefe, 12% admite que relativamente à sua atuação.

O estudo foi conduzido entre os dias 25 de janeiro e 9 de fevereiro de 2017 e as entrevistas online foram realizadas junto do painel da Netsonda. O target foi definido como indivíduos de ambos os sexos entre os 20 e os 40 anos, residentes em Portugal, licenciados e com pelo menos um ano de experiência profissional.

Outras notícias




Católica Lisbon School of Business & Economics consolida a sua posição de liderança

A Católica Lisbon School of Business & Economics consolidou a sua posição de liderança, já que volta a ser a única Escola Portuguesa a estar entre os Top 20 Europeus presentes no Ranking Global do Financial Times para a área da Formação de Executivos.

  • CATÓLICA-LISBON volta a destacar-se dentro do Top 50 do Ranking Global do Financial Times para a área de Formação de Executivos (43ª posição), o que acontece pelo 11º ano consecutivo, reforçando a presença no Top 20 das melhores escolas europeias;
  • A CATÓLICA-LISBON é a escola mais internacional do país e uma das 10 mais internacionais da Europa. Para estes resultados contribuem a avaliação em termos de número de programas, participantes e clientes internacionais, bem como as parcerias estabelecidas com Escolas de referência a nível global.
  • Com mais de 100 programas realizados por ano, e uma presença nos 4 Continentes, a CATÓLICA-LISBON é destacadamente a escola líder em Portugal na Formação de Executivos.

 Neste Ranking Global do Financial Times, onde competem milhares de escolas, a CATÓLICA-LISBON está na 43º posição a nível mundial, voltando a destacar-se dentro do Top 50 das melhores escolas do mundo.

 “A consolidação da liderança da CATÓLICA-LISBON no Ranking Global do Financial Times para a Formação de Executivos é, para nós, um motivo de grande orgulho, mas acima de tudo é um reconhecimento pelas nossas empresas parceiras e pelos nossos alunos da relevância e valor que caracterizam a nossa oferta formativa. Este resultado reflete igualmente a nossa forte aposta na internacionalização, cada vez mais um pilar crítico de afirmação da escola”

Afirma Francisco Veloso, Dean da CATÓLICA-LISBON.

Entre os critérios que contribuem para este resultado, destacam-se as parcerias estabelecidas com Escolas internacionais de referência como a Kellogg School of Management, MIT, Carnegie Mellon University, Bocconi University, Fundação Dom Cabral ou a Cheung Kong Graduate School of Business (CKGSB).

 

Outras notícias




Porto Business School está entre as escolas melhores do mundo

Pelo 7.º ano consecutivo a Porto Business School volta a marcar lugar entre as melhores escolas de negócio do mundo e reforça a sua posição em Open Executive Education, de acordo com o último Executive Education ranking do Financial Times.

A Porto Business School conquista mais uma posição em Formação para Executivos (Open), passando de 70º lugar para a 69ª posição, ranking onde também figura como a 5ª melhor do mundo (e a n.º 1 em Portugal) na categoria “Partner Schools”, que avalia a qualidade dos programas realizados em parceria com outras escolas de negócios. Já na categoria de Custom Executive Education, a Porto Business School passa a ocupar o 75º lugar

Estes resultados confirmam o caminho que a Porto Business School tem vindo a percorrer, primando pela qualidade da sua oferta formativa, pela sua forte proximidade ao tecido empresarial mas também pelas parcerias internacionais que tem vindo a desenvolver. De facto, duas das dez escolas que encabeçam este ranking –IMD (escola n.º 1 em Open Executive Education) e London Business School (n.º 4 no ranking global) – são parceiras da Porto Business School em alguns dos programas que compõem a oferta da escola.   

“A aposta em parcerias com as melhores instituições, a nível mundial, permitem à Porto Business School trazer para os seus programas as últimas tendências e os temas de presente e de futuro para a gestão. O reconhecimento da Porto Business School neste âmbito é reflexo da concretização da nossa estratégia de crescimento e internacionalizacao, bem como, do nosso objetivo de ter impacto e criar valor nas organizações.”

Refere Ramon O’Callaghan, dean da Porto Business School.

 

Outras notícias