AtualidadeRecrutamento e seleçãoTecnologia e Inovação

Crossover aposta no modelo de recrutamento que assenta na ideia de que o talento não conhece fronteiras

O torneio de recrutamento realizou no dia 29 de julho, em Lisboa, e apresentou vários testes de software aos candidatos.

A Crossover, tecnológica norte-americana especialista de outsourcing de TI, realizou pela primeira vez, no mês de julho, em Lisboa, um torneio de recrutamento de programadores de software. A única barreira que os candidatos precisavam de ultrapassar para receberem uma oferta de trabalho no valor de 100.000 dólares anuais foi o conjunto de exigentes testes que colocaram as suas competências técnicas à prova.

Seguindo um formato de torneio de um dia, a competição pretendeu encontrar os melhores Javascript Chief Architects que prestarão, de forma remota, os seus serviços a empresas de software nos Estados Unidos. O evento teve um processo transparente, avançado e competitivo que pretende encontrar os melhores talentos de IT a atuar em Portugal, através de um modelo de recrutamento que permite identificar profissionais com uma combinação única de talento e produtividade.

O torneio de recrutamento, cujo conceito possui elementos de gamificação, foi já efetuado pela Crossover em cidades como Budapeste, Moscovo, São Petersburgo, Cracóvia, Bucareste, Cairo ou Istambul, tendo resultado na contratação de mais de 100 programadores de software.

A Crossover aposta, assim, num modelo de recrutamento que assenta na ideia de que o talento não conhece fronteiras. Nesse sentido, a empresa olha para o futuro do mercado de trabalho, partindo da premissa de que os projetos de base tecnológica podem contar com a expertise de profissionais que prestam serviços de forma totalmente remota, em qualquer parte do mundo.

TESTEMUNHOS – TORNEIO RECRUTAMENTO CROSSOVER EM PORTUGAL

“O mercado de trabalho tem sofrido enormes alterações nos últimos anos relativamente aos processos de recrutamento, principalmente na área da informática. Os campeonatos de seleção surgiram da necessidade de acelerar um dos principais problemas dos processos de seleção: a demora do processo de contratação. Com os campeonatos de seleção, a empresa consegue contratar colaboradores altamente qualificados e muito mais rápido do que num processo de seleção comum. No meu ponto de vista, os campeonatos de seleção são uma nova visão e uma nova metodologia que se encaixa perfeitamente com a realidade atual do mercado de trabalho da área de informática, pois as empresas e, nós candidatos, não temos tempo a perder com processos longos e demorados e que muitas vezes não resultam num final satisfatório. Temos de mover e agir rapidamente, pois tudo está a acontecer muito rápido e temos de gastar nosso tempo de forma sábia.”

Wendell Adriel

“Um dos obstáculos que mais identifiquei nesta área foi a idade. Estive em muitas entrevistas em que me disseram que a posição ou salário tinha que corresponder aos anos de experiência do candidato. Para ultrapassar esta questão comecei a considerar trabalho remoto, onde o conhecimento é mais valorizado do que a idade. Já estive ligado a vários projetos remotamente e, realmente, consegui perceber que esse é o futuro. Obviamente que é necessário existir uma maior capacidade de foco e disciplina nas tarefas a realizar tendo em conta que o trabalho remoto presume trabalho sem controlo. Ao mesmo tempo, a Crossover consegue ultrapassar esta questão através de um controlo eletrónico. Os concursos de recrutamento permitem avaliar de uma forma excecional os candidatos, o que acredito estar muito em falta nas empresas atuais. Muitas vezes as entrevistas técnicas que são realizadas aos candidatos não são suficientes para perceber qual o nível de conhecimento dos mesmos. O trabalhar remotamente permite ultrapassar uma série de desafios e agrega, naturalmente, benefícios como a oportunidade de viver num local mais calmo, mais barato, dedicando mais tempo a outros interesses pois evitamos gastar horas e horas cada semana para chegar ao trabalho.”

Anton Selin

“Esta proposta foi um enorme desafio e é um privilégio assumir agora as minhas novas funções. A realização deste tipo de torneios é fundamental não só para o desenvolvimento pessoal, como em termos profissionais, pois ao falar com os outros candidatos, foi possível entender que a Crossover oferece condições salariais muito superiores à média praticada no mercado português na indústria de TI. Esta nova realidade de trabalho é fundamental na nossa atualidade e a aposta da Crossover num software que monitoriza todas as suas atividades durante o horário de trabalho, de modo a que a sua equipa (remota) e o gestor estejam sempre em sintonia, apesar da distância, demonstra muito bem a sua capacidade de inovação pioneira.”

Aurelien Chivot


Sobre a Crossover: A Crossover entende o valor de contratos de longo termo e de compensações competitivas. Essa é a proposta de valor que a empresa oferece aos candidatos que passam no rigoroso processo de avaliação e que, a partir desse momento, passam a trabalhar para empresas que vigoram no ranking Fortune 1000. A empresa acredita que o talento não é determinado pela localização geográfica e, por essa razão, desenvolveu um modelo em que os profissionais podem trabalhar remotamente em qualquer parte do mundo.

Previous post

Paulo Neto Leite nomeado Presidente Executivo da Groundforce Portugal

Next post

40% das empresas em Portugal prevê recrutar mais em 2018

Vanessa Henriques

Vanessa Henriques

Diretora Executiva da RHmagazine

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *