Comunicação interna

Employer branding: 4 lições sobre o que não deve fazer

Por: Michael Page.

Nem todas as organizações se apercebem que os colaboradores talentosos procuram, atualmente, mais do que um emprego com um bom salário. Assim como as pessoas não escolhem um determinado hotel só para dormir, mas também pela sua localização, ambiente e serviço, também ao procurar um projeto profissional a escolha não é baseada somente na posição e remuneração. É por este motivo que uma estratégia de employer branding mal delineada poderá custar a uma empresa os seus melhores candidatos.
Apresentamos 4 conselhos para que isso não aconteça.

1. Os colaboradores não recomendam trabalhar na empresa?

A melhor publicidade de uma organização estará sempre baseada nos seus próprios colaboradores. Quer estes estejam insatisfeitos ou desmotivados, a informação será rapidamente veiculada. Graças às redes sociais e sites como o Glassdoor, potenciais candidatos podem descobrir praticamente tudo sobre a perspetiva dos colaboradores de determinada empresa. Desta forma, é importante garantir que a perspetiva de cada um dos colaboradores seja positiva e tratá-los com toda a consideração e transparência.

 

 

 

 

 

 

 

2. Não esconda os seus problemas

Se quer manter a imagem de que a organização é honesta e confiável, deverá admitir as suas fraquezas antes que terceiros o façam. Empresas como a Google e a Apple, por exemplo, admitem que têm um problema com a diversidade dos seus colaboradores e reportam anualmente o progresso que fizeram para resolver esta questão.

http://www.wired.com/2015/06/google-diversity-nancy-lee/

3. Fale dos seus colaboradores em vez da sua empresa

Organizações com um employer brand forte não têm que se explicar. Estas empresas apresentam os seus colaboradores, objectivos alcançados, o ambiente no qual os futuros colaboradores vão trabalhar e o que podem alcançar. Experimente, por exemplo, ver de que forma a Microsoft se dirige aos novos candidatos.

https://careers.microsoft.com/

4. Não assuste os candidatos ao utilizar linguagem corporativa aborrecida

A tentação de utilizar linguagem corporativa é enorme. Bancos, empresas de contabilidade, sociedades de advogados – todas estas empresas querem parecer sérias e dignas de confiança. Apesar desta abordagem funcionar na maioria das vezes na comunicação dirigida aos clientes e consumidores, se quiser atrair a atenção de futuros colaboradores a utilização de uma abordagem mais lúdica poderá ser uma grande ajuda.

 

 

image_pdfimage_print
Previous post

WINNING celebra 5 anos e alcança 5 milhões de euros

Next post

Felicidade Ferreira - country manager da Primavera

Vanessa Henriques

Vanessa Henriques

Diretora Executiva da RHmagazine

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *