Atualidade

Estudo internacional sobre políticas e estratégias de diversidade no local de trabalho

A força de trabalho tem sofrido algumas alterações ao longo das últimas décadas e a chave da mudança reside na “diversidade” que caracteriza a sociedade e as organizações. Há mais mulheres empregadas, mais pessoas a assumirem a sua orientação sexual e o número de migrantes aumentou em muitos países.

No entanto, pouco se sabe acerca do impacto da diversidade no dia-a-dia de colaboradores, gestores e profissionais de Recursos Humanos. Com o objetivo de preencher esta lacuna, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) está a realizar um estudo internacional sobre a “Diversidade no local de trabalho”, em conjunto com a Universidade Paris Dauphine e as principais associações nacionais de RH, entre as quais, em Portugal, a Associação Portuguesa de Gestão das Pessoas (APG).

Para o efeito, foi criado um questionário destinado aos profissionais de Recursos Humanos de 12 países da OCDE, que pretende perceber os seus pontos de vista e as suas experiências sobre esta temática e comparar internacionalmente as diferentes realidades. Serão abordadas questões como a implementação de medidas pelas empresas e, por conseguinte, a motivação por detrás da sua execução, a  monitorização e avaliação dos resultados, as áreas de maiores obstáculos, o papel que as empresas atribuem aos governos e os apoios que esperam deles e os aspetos das políticas de diversidade alvo de mais atenção no futuro.

O inquérito online está disponível em várias línguas, entre as quais a portuguesa, e deve ser respondido até ao próximo dia 28 de fevereiro.

Este estudo é parte integrante de um projeto mais vasto da OCDE sobre políticas públicas e estratégias empresariais sobre “diversidade” que, através de uma combinação de trabalhos analíticos e conferências, procurará abordar duas questões:

  1. Quão diversas e abertas à “diversidade” são as nossas sociedades?
  2. Como podem as políticas de gestão empresarial estabelecer condições para aproveitar ao máximo uma força de trabalho diversificada e, desta forma, gerar sociedades mais diversificadas?

 

Mais notícias:

Facebook
image_pdfimage_print
Previous post

José Simões e Rui Brandão, Fundadores da Zenklub: “Ainda desvalorizamos o impacto dos problemas emocionais e comportamentais nas organizações”

Next post

Engage & Grow: ativar equipas para crescer e atingir resultados

Ana Silva

Ana Silva

No Comment

Deixar uma resposta