Liderança & gestãoPessoas

Exclusivo InfoRH: Carlos Alberto Júlio, Presidente da Digital House: “Todos nós vamos ter de aprender a programar. A programação é, para a transformação digital, o que foi o inglês para a globalização”

Habituado a falar para grandes plateias, foi ao público da Altice Arena que Carlos Alberto Júlio discursou, na passada sexta-feira, dia 23 de fevereiro. Na XIV Convenção ERA, comemorativa dos 20 anos da marca, o académico e conselheiro profissional, motivou os dois mil participantes com a sua palestra sobre atitude. O InfoRH entrevistou-o a propósito da sua experiência laboral.

O que propõe com o seu trabalho?

Eu vivo no mundo académico e profissional. Conheço presidentes das empresas há mais de 30 anos, sou conselheiro profissional há mais de 30 e sou professor há 37. Tive sempre a oportunidade de juntar o prático e o teórico. Fui tendo êxito como professor – e eu avalio o êxito através da relação com o aluno –, porque vim da prática para a teoria. Escrevi os livros que publiquei com uma tónica de simplicidade. Simples, mas profundos. Quando o conceito é profundo, a linguagem tem de ser simples. E é nisso que acredito, quer na academia, quer nas organizações. Uma linguagem mais erudita e sofisticada, afasta frequentemente os jovens do mundo da gestão

A empresa moderna, a que paga contas e aquela onde os colaboradores precisam de ser remunerados, e bem remunerados, é um lugar para onde querem ir. É a empresa do propósito, a que faz sentido para servir a sociedade. Quando estamos inseridos neste contexto, o trabalho é uma diversão.

Foi esta temática que trouxe para a palestra. Falámos de planeamento, atitude, foco, disciplina e organização e falámos com leveza. E não o fiz porque o público podia ser heterogéneo, ou porque o público de vendas é mais simples. Já não há pessoas alienadas. As pessoas estão informadas. O meu respeito com o público traduz-se numa linguagem onde o lúdico e o concreto caminham juntos. Hoje, o líder das organizações deve ter uma comunicação fluída com a equipa, o que não significa necessariamente falar muito e bem. A mensagem tem de ser consistente e deve refletir os atos. Caso contrário, ninguém acredita.

Quando os líderes empresariais o procuram, que pedidos lhe fazem?

Não faço consultoria. O processo de colaboração com a formação é entendido como consultoria. O diretor da ERA vai ao Brasil, passa duas horas comigo e mostra-me o que fizeram nos últimos 20 anos. No nosso briefing, quando lhe digo o que podia ser feito, há uma absorção de conteúdos. Este devia ser o papel da academia – estar mais próxima das empresas. A consultoria é mais programática. O facto de estar há 30 anos em conselhos de administração, faz com que o meu papel como conselheiro, além de referenciar e fiscalizar a gestão dos diretores, seja participativo e responsável, também, pela gestão. O processo de participação nos conselhos de administração passa por trazer múltiplas experiências para criar novas oportunidades, novos serviços, trazer novos talentos e desenvolver pessoas. Acabo por ter um papel importante como consultor.

O tema da próxima edição da RHmagazine é o futuro do trabalho. Na sua perspetiva, como é que os líderes das empresas devem encarar o futuro das organizações, considerando variáveis como a inovação?

As pessoas acham que a transformação digital corresponde ao uso do tablet, mas a transformação digital é a linguagem do código. É a programação. Todos nós vamos ter de aprender a programar. A programação é, para a transformação digital, o que foi o inglês para a globalização. A transformação digital é o novo mundo. Um gestor de recursos humanos que não sabe fazer recrutamento online está obsoleto. Há uns anos, deixava o meu currículo atualizado nos consultores de recursos humanos e, se alguém me procurasse, encontrava-me. Agora estou no Linkedin e tudo chega até mim. Como é que um profissional de marketing contrata alguém do online ou aprova um plano online? Vai encontrar um jovem de 20 anos. Mas se não conhecer as possibilidades que o marketing online lhe dá, como vai liderar o processo? O marketing e os recursos humanos são áreas onde a transformação digital é intensa. A empresa que não fizer a sua própria transformação digital vai ficar obsoleta muito rapidamente. A inovação é fazer o novo acontecer. Inovar significa o que ainda ninguém fez. E para isso é preciso dominar a nova linguagem. Em recursos humanos, a grande preocupação é o desaparecimento dos empregos e vão desaparecer todos os empregos repetitivos. Mas vão surgir novas profissões. Quais são as novas profissões e onde encontramos os profissionais? Como é que se preparam os novos profissionais? Em Buenos Aires, vendemos 100 programas da área digital à IBM. Encontrei o diretor da empresa e agradeci o negócio, mas disse-lhe que estava incomodado. Como é que a IBM precisa de treino digital? O diretor disse-me que a IBM era tudo menos uma empresa digital. A IBM tem 60 mil profissionais no mundo, 90% não tem conhecimentos sobre digitalização.  Que oportunidade, mas que desafio para os recursos humanos – encontrar estes profissionais! Primeiro, porque não existem. Segundo, porque os cargos ainda não estão alinhados. Ainda não sabemos como designá-los. Como é que o profissional de RH os vai encontrar se os nomes ainda não estão consolidados?

A propósito da gestão do tempo e a sua relação com o aumento da produtividade, que conselhos dá aos líderes das empresas para gerirem o seu tempo?

Todos nós sabemos que devíamos fazer as tarefas mais importantes e difíceis primeiro, mas, por uma questão de comportamento, começamos pelas mais fáceis. E isto é improdutivo. Na palestra perguntei ao público como organizava o seu dia. Disseram-me que era preciso planear, mas o que é planear? Planear é decidir o que fazer. A lógica é “decido logo faço”. E é assim que trabalham diariamente?

Para o aumento da produtividade importa decidir o que fazer antes de fazer e fazer o que decidimos, porque decidimos uma coisa e fazemos outra.

Fiz uma palestra no Brasil chamada “Sobrando tempo na minha agenda”, porque tenho a certeza que metade dos meus alunos tem a certeza que sou mentiroso. Quem começa a conviver comigo pensa “dá aulas em duas escolas, tem a Locomotiva com estudos de pesquisa, tem a Digital House, é conselheiro em seis empresas, tem uma coluna diária sobre gestão na CBN, faz 100 palestras por ano, inclusive no exterior. Como é que ele faz isto? É mentira”. A outra metade quer saber como é que eu faço. Para eles, preparei uma palestra sobre gestão de tempo. Há um conceito em andragogia (técnicas de ensino de adultos – em RH é fundamental) que diz que só se descobre que se sabe quando é preciso saber. O adulto pensa numa mistura entre o lúdico e o concreto. Uma das ideias que passo é que eu faço muitas coisas, mas há uma sinergia entre todas as tarefas. Às vezes as pessoas têm dificuldade em ter disciplina. A disciplina com foco é potencializada.

O foco é a capacidade de dizer não. Quem diz sim a tudo não tem foco, mas quem diz não a tudo não faz nada e é isso que eu trabalho.

imprimir
Previous post

Se você não consegue encontrar um cônjuge que apoie sua carreira, fique solteiro

Next post

Nuria Chinchilla, única mulher no Top Ten Management espanhol, em Portugal: “Temos de repensar as empresas para as construir à medida da mulher e do homem atuais”

IIRH

IIRH

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *