AtualidadeTecnologia e Inovação

Vamos falar de HR Analytics? Está na hora de transformar dados em gestão de pessoas – a opinião de Luís Antunes

 

Luís Antunes – DRH da PHC

Os chamados HR Analytics estão a transformar a forma como as decisões são tomadas na área dos Recursos Humanos. Se, sobretudo até aos últimos dez anos, a intuição guiava muitas das decisões relacionadas com a gestão do capital humano das empresas, atualmente são cada vez mais os especialistas de recursos humanos que utilizam ferramentas, algoritmos e dados para definir as suas grandes estratégias, gerir talento ou tomar decisões sustentadas em factos.

Estamos a entrar na verdadeira era do Business Intelligence dos recursos humanos. E é muito mais do que a simples aplicação de um conjunto de análises estatísticas: trata-se, acima de tudo, da utilização estratégica da recolha e interpretação de dados com o objetivo de criar conhecimento fundamental para a otimização dos recursos humanos de uma empresa.

Com a crescente importância dos dados para a boa gestão das organizações, os HR Analytics estão progressivamente a provar a sua relevância em áreas que vão muito para lá dos “tradicionais” dados demográficos ou recolha de feedback. Se a idade, o nível de formação académica dos colaboradores e a sua opinião sobre diversos assuntos continua a ser importante, torna-se insuficiente quando se tem um conjunto de outros indicadores que permitem avaliar e tomar as decisões na gestão de pessoas.

Enquanto diretor de recursos humanos de uma empresa, a utilização dos chamados dashboards faz parte do meu dia a dia e permite tomar a melhor decisão em tempo real. Permite ter informação na altura certa e sempre atualizada sobre de indicadores como a rotatividade, o tempo médio de permanência na empresa, a felicidade das pessoas ou do desempenho na elaboração do trabalho. Ter, por exemplo, informação sobre a média de horas que um colaborador passa no escritório permite perceber que, se uma pessoa está a trabalhar mais tempo do que o previsto, pode-se estar perante uma potencial necessidade de formação na gestão de tempo ou perante uma necessidade de reforço da equipa através de uma contratação. É um pequeno exemplo, mas que permite gerir melhor, de uma forma assertiva e justificada em indicadores reais.

Da mesma forma, também os aspetos motivacionais e de identificação com a cultura da empresa podem ser avaliados. Por exemplo, no seguimento do nosso investimento na felicidade das pessoas que trabalham connosco, estamos a implementar uma métrica, que apelidamos de happy score – um indicador do nível de felicidade baseado em perguntas simples feitas de forma regular aos colaboradores –  que nos possibilita aferir o sucesso das nossas ações nesta área. Assim, consegue-se avaliar a evolução do nível de felicidade e bem-estar de cada colaborador naquele momento, podendo identificar variações que permitem agir rapidamente perante um cenário de desmotivação laboral ou de problemas pessoais que possam estar a afetar o dia a dia daquela pessoa. Outro aspeto importante é que o cruzamento de diferentes dados, com a aplicação do algoritmo certo, nos ajuda a prever tendências e assim antever ações, que nos permite agir rapidamente.

A tecnologia abre-nos muitas portas e tem hoje um papel fundamental na gestão e na retenção do talento. É um aliado no planeamento de estratégias de atração e retenção de talento, de redução do turnover e no aumento da identificação com a cultura de uma empresa. E é por esse motivo que os dashboards de HR Analytics não podem ser um exclusivo dos departamentos de recursos humanos, mas para todos os que têm a responsabilidade na gestão de pessoas a todos os níveis e a que todos os líderes devem ter acesso para tomarem as melhores decisões na gestão das suas equipas. São ferramentas de diagnóstico que dão alertas para que todos os líderes tenham a possibilidade de trabalhar cada caso individualmente e contribuir para a melhoria do bem-estar de cada um dentro da nossa empresa.

Hoje, os HR Analytics são um parceiro estratégico do retorno do investimento das organizações. Permitem medir e gerir de forma ágil o talento, cruzar indicadores-chave e, consequentemente, contribuir para a melhoria do desempenho de cada indivíduo no seu posto de trabalho. Há muito que a recolha e a análise de dados deixaram de ser uma prática reservada à gestão. Sabemos hoje que tão importante como quantificar lucros e vendas é ter acesso a dados sobre o capital humano das empresas. Contudo, é preciso implementar estas práticas com as ferramentas certas, que são mais ágeis para se adaptar à realidade de cada empresa, pois só assim se analisam os dados devidamente, transformando-os em informação de suporte à tomada de decisão.

Acima de tudo, é vital que se olhe para o uso dos HR Analytics como uma realidade incontornável da gestão de recursos humanos e como um contributo fulcral para o sucesso das empresas; porque o é.

 

Mais notícias

 

 

 

 

 

Previous post

A Robert Walters nomeada Best International Recruiter 2017

Next post

Soares Pires, Diretor geral da Renault Retail Group Portugal - "Cada pessoa deve ser tratada à sua maneira"

Cristina Barros

Cristina Barros

Managing director do IIRH

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *