AtualidadeFormação e coaching

O Futuro e a Transformação dos negócios em debate no Business Transformation Summit

O Business Transformation Summit aconteceu no dia 17 de outubro no Centro de Congressos Lagoas Park. Organizado pela Cegoc, contou com uma sala cheia de participantes em Portugal (250)  e mais de 1000 inscritos, que se juntaram ao evento via live-streaming com o propósito de debater Business Transformation em diversos locais organizados pelas filiais do Grupo Cegos em Espanha, França, Itália, Inglaterra e Alemanha.

Gerd Leonhard, Future Strategist e CEO da The Futures Agency, Manuela Veloso, Líder do departamento de Machine Learning na Carnegie Mellon University e Laura Overton, CEO da Towards Maturity, subiram ao palco para partilhar as suas ideias sobre que futuro nos espera e como a interação entre humanos e tecnologia será tão inevitável quanto imprescindível enquanto ativo-chave para o sucesso dos novos negócios e para o futuro das Organizações. Durante a tarde Luís Martins, Head of Marketing @ IT People Innovation e a Co fundadora do 70:20:10 Institute, Vivian Heijnen, abordaram temas como irá a Realidade Aumentada impactar a forma como aprendemos e interagimos com clientes, parceiros e colaboradores e como é possivel utilizar 100% do nosso potencial para alavancar a performance, através do referencial 70:20:10.

Os resultados dos inquéritos de satisfação revelam que o evento foi um sucesso, com a maioria das apresentações a serem classificadas como excelentes e mais de 80% dos participantes a considerarem que o Business Transformation Summit correspondeu plenamente às suas expetativas. 

 Os Principais insights do evento:

 GERD LEONHARD – Future Strategist e CEO @ The Future Agency

Apresentação: “Towards Exponential Growth – Antecipar o futuro num mundo de tecnologias exponenciais”

“É muito difícil prever o futuro quando este acontece tão rapidamente”

Daqui a dez anos o futuro será tão diferente que o que aprendemos no passado poderá não ser útil no futuro.

Basta olhar para a indústria da música hoje em dia, empresas como a Spotify, que nos permite ter acesso a um serviço de música digital e aceder a milhões de músicas, veio revolucionar por completo este mercado.

A Blockbuster resistiu à mesma mudança no seu setor e todos sabemos o resultado dessa decisão. Os fabricantes de automóveis estão a investir cada vez mais em veículos elétricos e carros autónomos. No futuro, será que também o seu negócio não precisará de se transformar?

“Todas as tarefas que resultem de uma rotina, no futuro serão feitas por máquinas”

Vemos isto a acontecer todos os dias. As máquinas estão a assumir cada vez mais as funções consideradas rotineiras e pouco diferenciadas. Se por um lado os robôs já há muito são utilizados em linhas de montagem, hoje em dia, porém,  começam já a ser utilizados na interação com pessoas e clientes em funções que exigem outras capacidades até aqui consideradas exclusivamente humanas.

 “O novo petróleo são os Dados”

Comparando as capitalizações bolsistas das principais empresas em 2006 vs 2016, podemos concluir que em 2006, a Microsoft era a única empresa de tecnologia nesta lista e que as restantes empresas eram do setor petrolífero e bancário. Em 2016, todavia, todas exceto uma empresa, são empresas de de natureza tecnologia. A evolução da economia da informação e da Inteligência Artificial dependerá da quantidade e qualidade dos dados que formos capazes de recolher, analisar, armazenar e produzir. Mas se os dados são o novo petróleo, será que não devemos prestar mais atenção à sua regulação e ao impacto desta tecnologia na evolução da humanidade?


MANUELA VELOSO – Head of The Machine Learning Department @ Carnegie Mellon University, EUA / Co-Fundadora da RoboCup

Apresentação: “Human IA Interaction – Como a interação com a Inteligência Artificial vai impactar o futuro”

“A Inteligência Artificial é o que vai salvar a humanidade no futuro”

O Deep Learning permite que as máquinas aprendam a apender. No passado as máquinas processavam uma imagem como uma coleção de números RGB, agora, reconhecem e rotulam objetos. A cada dia que passa as máquinas aprendem a ver o mundo e a comunicar como os humanos.

A professora Manuela Veloso tem desenvolvido várias gerações de robôs autónomos com capacidade de aprender e interagir com os seres humanos e de explicar as suas necessidades na nossa linguagem.

 “O futuro das máquinas e dos humanos é trabalhar em conjunto.”

As potencialidades e ameaças da Inteligência Artificial são controversas, mas a questão que se coloca atualmente é se compreendemos bem o que é a IA e o quão avançado se encontra o seu desenvolvimento.

Enquanto as máquinas certamente assumirão os trabalhos mais rotineiros, algumas coisas como a curiosidade, a imaginação, a criatividade e a inteligência emocional, muito provavelmente não serão passiveis de serem ensinadas ou replicadas por robôs.

Manuela Veloso recorda-nos que os robôs não são capazes de fazer tudo e refere que deveremos aceitar que, no futuro, as máquinas e humanos terão limitações, mas que ao trabalhar em colaboração, podemos superar todos os desafios.


LAURA OVERTON – Fundadora e CEO da Towards Maturity|Docente no Chartered Institute of Personnel and Development (CIPD) e no Learning and Performance Institute, UK

Apresentação: “Learning Transformation in the changing world of work – impactar pessoas e organizações através da inovação na aprendizagem”

“A única certeza nos nossos dias, é a mudança.”

As transformações no mundo do trabalho criam desafios e oportunidades únicas às empresas que, cada vez mais, procuram colaboradores ágeis e capazes de liderar a mudança.

Durante a conferência Laura Overton partilhou as principais conclusões retiradas de uma amostra com mais de 35.000 colaboradores e 5.500 responsáveis de L&D, que indicam, o que irá impulsionar a aprendizagem do futuro, quais as estratégias mais inovadoras para o fazer e como liderar essa transformação.

Ricardo Martins, diretor geral da CEGOC em Portugal, refere que “O evento conseguiu uma vez mais elevar o debate e o nosso entendimento coletivo sobre o impacto que a transformação em curso terá nas nossas vidas e nas vidas das empresas e dos negócios, através de uma partilha muito interessante de visões distintas sobre o que nos deve entusiasmar e preocupar relativamente ao futuro. Serviu também para despertar os responsáveis pela gestão de pessoas e empresas presentes, para as grandes tendências de desenvolvimento de RH que desde já é possível antecipar para não sermos ultrapassados pelos acontecimentos. Estamos muito satisfeitos com o feedback que recebemos de todos os clientes presentes no Centro de Congressos Lagoas Park e mais ainda, com o impacto que a transmissão do BTS teve nos restantes locais, organizados em Madrid, Barcelona, Zaragoça, Bilbao, Valência, Paris, Londres, Frankfurt e Milão pelas filiais do Grupo Cegos que estiveram connosco em Live Streaming. Estamos já a preparar o Business Transformation Summit 2018, que pretendemos que possa elevar ainda mais a fasquia e ir mais além no debate de temas relacionados como a transformação dos negócios.

Mais notícias:

Previous post

Pedro Ramos, Diretor RH, Grupo TAP Air Portugal - "As pessoas são, sem dúvida, o bem mais precioso"

Next post

Conferência Anual da International Coach Federation Portugal

Ana Silva

Ana Silva

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *