Mercado de TrabalhoRetribuição e compensação

Islândia é o primeiro país a aplicar a igualdade salarial entre homens e mulheres

Segundo o diário Público, no primeiro dia de 2018, a Islândia passou a ser o primeiro país no mundo a tornar obrigatória a igualdade salarial entre homens e mulheres. Na segunda-feira entrou a vigor um diploma aprovado em Março de 2017 pelo parlamento de Reiquiavique, que proíbe as empresas de pagarem salários superiores aos homens em relação às mulheres pelo exercício das mesmas funções.

A nova legislação obriga empresas públicas e privadas com pelo menos 25 trabalhadores a apresentar um certificado oficial de cumprimento de uma política de igualdade salarial, como explicou ao Guardian em Abril Thorsteinn Viglundsson, ministro da Igualdade e Assuntos Sociais da Islândia.

Uma dirigente da Associação Islandesa para os Direitos das Mulheres, Aradottir Pind, explicou que a legislação que entra agora em vigor é um mecanismo que irá “assegurar que mulheres e homens tenham salários iguais”.

Pind afirma que a Islândia já tinha legislação a incentivar a igualdade salarial entre homens e mulheres “há décadas”, mas que a diferença de rendimentos sempre subsistiu. Agora, o que era meramente alvo de incentivo passa a ser uma obrigação, com punições para os infractores. De resto, Pind afirma que a lei anterior “não estava a funcionar” e que “era preciso fazer mais”.

A Islândia tinha anunciado esta medida no Dia Internacional da Mulher e passa a ser o primeiro país a aprovar uma lei deste tipo, depois de ser classificada pelo Fórum Económico Mundial como a nação com o melhor índice global em termos de igualdade entre homens e mulheres ao longo dos últimos nove anos, como recorda a Al Jazeera. Atrás da Islândia, os países mais bem classificados nesse mesmo ranking são a Noruega, a Finlândia, o Ruanda e a Suécia.

Em Portugal estuda-se igualmente a penalização de empresas que pratiquem políticas salariais desiguais, num país em que, segundo dados de 2015, as mulheres recebem menos 17,8% que os homens pelo exercício da mesma função.

 

Outras notícias

Facebook
image_pdfimage_print
Previous post

Artigo: Os cinco papéis do gestor de RH

Next post

Google Analytics: a sua arma secreta de recrutamento

Cristina Barros

Cristina Barros

Managing director do IIRH

No Comment

Deixar uma resposta