Atualidade

Luís Mendonça, presidente do Banco Farmacêutico, apela ao voluntariado na Jornada de Recolha de Medicamentos, no dia 17 de fevereiro

Realiza-se no próximo dia 17 de fevereiro, sábado, entre as 9h00 e as 19h00, a X Jornada de Recolha de Medicamentos. A iniciativa do Banco Farmacêutico pretende angariar medicamentos e produtos de saúde para as instituições de solidariedade beneficiárias. O objetivo, a cada ano, é ajudar mais pessoas, como explicou Luís Mendonça, presidente do Banco Farmacêutico, ao InfoRH.

O ano passado foram doados 14.000 medicamentos a 100 IPSS. Qual é a meta definida para 2018?

O Banco Farmacêutico procura todos os anos levar a cabo uma iniciativa que pretende apoiar, através da doação de medicamentos, aquelas pessoas na nossa sociedade que mais dificuldades têm em adquiri-los. O nosso objetivo para cada Jornada de Recolha de Medicamentos, é poder chegar a cada vez mais pessoas pois as necessidades manifestadas são sempre muito grandes. Neste sentido, desejamos, naturalmente, aumentar o número de medicamentos doado às IPSS.

Depois da mais recente polémica que envolveu instituições de solidariedade social, teme que os resultados da Jornada de Recolha de Medicamentos sejam afetados?

Eu não relaciono as duas coisas. Os portugueses já manifestaram em diversas ocasiões, e de diversas formas, que estão disponíveis para ajudar quando veem que existem pessoas que precisam de ser ajudadas. É este sentido de justiça e de partilha que, em última análise, move as pessoas disponíveis para ajudar.

Considera importante alertar para a diferença entre a Jornada de Recolha de Medicamentos e a campanha de recolha de medicamentos fora da validade, desenvolvida pelas farmácias portuguesas?

São campanhas completamente distintas. O Banco Farmacêutico apela apenas à doação de medicamentos não sujeitos a receita médica e outros produtos de saúde adquiridos no dia 17 de fevereiro numa das farmácias aderentes. Naturalmente, são os mesmos medicamentos, novos, seguros e de qualidade, oferecendo a mesma confiança que qualquer pessoa tem quando adquire um medicamento numa farmácia.

Como foi desenvolvida a campanha de divulgação?

Através de um comunicado à imprensa, de divulgação nas redes sociais e com a colaboração de alguns dos nossos parceiros. Por ocasião do nosso 10.º aniversário, que este ano se comemora, aproveitámos para renovar o nosso site e criar um logótipo alusivo aos dez anos do Banco Farmacêutico em Portugal. Cada vez mais, desejamos que a Jornada de Recolha de Medicamentos seja uma boa experiência de solidariedade para quem nela participa e, por esta razão, apostámos também na divulgação de alguns testemunhos de voluntários e de instituições beneficiárias, através do nosso site e da nossa página no Facebook, para mostrar como podemos estar a ajudar significativamente as instituições que cuidam dos mais carenciados e ao mesmo tempo a viver uma experiência de voluntariado que é boa para quem a vive.

Como se processa a seleção das IPSS beneficiárias?

A maior parte das IPSS são nossas parceiras há já alguns anos, algumas delas desde a primeira Jornada. Muitas delas chegam-nos referenciadas pelas próprias farmácias aderentes. As IPSS para poderem beneficiar do apoio do Banco Farmacêutico devem possuir já um processo organizado de apoio medicamentoso aos seus utentes, um profissional de saúde responsável pela administração dos medicamentos e, naturalmente, desenvolverem a sua atividade a favor dos mais frágeis: os doentes menos autónomos, as pessoas sós, os idosos e as crianças.

Atendendo às diferentes instituições beneficiárias e às suas necessidades, quais são os medicamentos não sujeitos a receita médica e produtos de saúde essenciais?

O tipo de medicamentos a doar em cada farmácia está intimamente ligado à atividade desenvolvida pelas IPSS. Uma instituição que apoia idosos tem necessidades diferentes daquela que apoia crianças. Cada farmácia tem uma lista dos grupos de medicamentos mais adequados à IPSS para a qual essa farmácia está a recolher doações.

Como se processa o recrutamento dos voluntários?

Quem quiser ser voluntário no dia da Jornada pode inscrever-se através do nosso site indicando o local da sua preferência. Para além disso, o Banco Farmacêutico possui diversas parcerias na área do voluntariado e recebe apoio de voluntários de entidades tão diferentes como as faculdades, as paróquias, as empresas, os escuteiros, os estudantes universitários, grupos de voluntariado, associações, movimentos e das próprias instituições beneficiárias.

Em 2017, aderiram à Jornada de Recolha de Medicamentos 222 farmácias. Espera que, este ano, o número aumente, sobretudo em alguns distritos do país?

Irão participar nesta Jornada quase 230 farmácias e estaremos presentes, pela primeira vez, em todos os distritos de Portugal Continental.

Que requisitos são necessários preencher para que uma farmácia adira à iniciativa?

Cada farmácia adere à iniciativa através do nosso site cerca de um mês antes da Jornada e contribui para o Banco Farmacêutico com um apoio financeiro.

De que forma os cidadãos podem colaborar com o Banco Farmacêutico?

Antes de mais contribuindo com a doação de medicamentos no dia 17 de fevereiro numa das farmácias aderentes à iniciativa. A lista das farmácias aderentes encontra-se já disponível no nosso site. Também podem participar como voluntários no dia da Jornada. Para isso é necessário inscreverem-se através do nosso site ou do telefone 918 331 144. Precisamos muito de voluntários na grande Lisboa e nas cidades do Porto e Vila Nova de Gaia.

Consulte a lista das farmácias aderentes e saiba onde contribuir.

Mais notícias:

Facebook
image_pdfimage_print
Previous post

Inscrições abertas para formação em liderança na Católica

Next post

David Green em Portugal: "Não se esqueçam do “H” nos Recursos Humanos"

Ana Silva

Ana Silva

No Comment

Deixar uma resposta