Mercado de Trabalho

Mitos e verdades sobre a geração do Milênio

Vamos passar por cima de alguns dos preconceitos mais comuns sobre a geração do milênio, aqueles que tem atualmente entre 21 e 34 anos e que foram invadindo o local de trabalho nos últimos anos. É comum dizer que os seus pais os tornaram incapazes de aceitar críticas e que estão em constante busca de um troféu.

Também pensámos que a sua imersão nas redes sociais significa que eles não podem manter as suas vidas pessoais e profissionais separadas ou ainda que eles estão especialmente atraídos para empregos onde eles podem ajudar a salvar o mundo.

Ora, segundo um estudo da IBM estes estereótipos parecem estar errados. Esta é a conclusão à qual chegou a consultora após entrevistar cerca de 1.784 funcionários de diferentes faixas etárias em 12 países e seis indústrias.

Os resultados desmascaram os mitos segundo os quais estes trabalhadores seriam prima donas no local de trabalho, que esperam muito e que sempre foram muito mimados pelos pais.

A geração do milênio seria narcisista, preguiçosa ou uns otimistas empedernidos querendo salvar o mundo. Pois os resultados do estudo da IBM mostram que estes profissionais do milênio “querem segurança financeira e criar um impacto positivo no local de trabalho”.

Os trabalhadores da geração do milênio querem ser venerados e acham que todos merecem um troféu. Mas segundo a responsável pelo estudo “para esta geração, o chefe perfeito não é alguém que lhes está sempre a dar pancadinhas nas costas”, enfatiza acrescentando que a geração do milênio “quer um chefe justo, correto e transparente”.

A sua imersão nas redes sociais faz com que eles não saibam manter as suas vidas pessoais e profissionais separadas. Ora, o estudo demostra que eles sabem separar as águas. Assim 27% diz nunca utilizar as suas contas das redes sociais para fins pessoais contra 24% das pessoas da geração X).

Se há uma grande conclusão neste estudo é que os trabalhadores da geração do milênio do estudo quer praticamente a mesma coisa que a maioria dos funcionários quer: um chefe ético e justo, uma liderança inspiradora e a oportunidade de progredir na carreira.

imprimir
Previous post

Já nas bancas! Edição nº 96 da RH Magazine

Next post

Jean-Yves Chameyrat nomeado Diretor de recursos humanos do Grupo STEF

Cristina Barros

Cristina Barros

Managing director do IIRH

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *