AtualidadeMercado de Trabalho

Novos ecossistemas são fundamentais para aumentar a agilidade competitiva das empresas

Telecomunicações, banca e utilities são os setores mais preparados para usufruírem das oportunidades de crescimento dos ecossistemas. A conclusão é de um estudo da Accenture.

A criação de ecossistemas que integrem, simultaneamente, partilha de dados, clientes, tecnologia e conhecimento do setor entre empresas é fundamental para a sua estratégia de crescimento. A conclusão é do mais recente estudo da Accenture Strategy – Cornerstone of Future Growth: Ecosystems –, que revela que 84% dos executivos inquiridos concordam com a adoção de ecossistemas que fomentem a agilidade competitiva das organizações e que apenas um quarto dos líderes empresariais a nível global está confiante no cumprimento dos objetivos de crescimento estabelecidos para 2020. O elevado risco de disrupção das atuais estratégias de crescimento preocupa 56% dos gestores.

De acordo com o estudo, as empresas estão a formar ecossistemas para potenciar inovação (63%), aumentar o crescimento de receitas (58%), entrar em novos mercados (55%) e ganhar novos clientes (55%). Hoje, quase metade dos executivos (46%) procuram ativamente parceiros e outros 77% acreditam que, nos próximos cinco anos, mais de metade das receitas das suas organizações será gerada através de ecossistemas. As organizações dos setores das telecomunicações, banca e utilities são as que têm mais capacidades para capitalizar oportunidades de ecossistemas.

Os executivos que participaram na investigação afirmam que alguns dos maiores desafios que enfrentam na construção de ecossistemas se relacionam com a transferência do controlo, já que 44% dos inquiridos estão preocupados com a partilha dos ativos e sigilos da empresa com outras organizações, e com o equilíbrio das atuais responsabilidades do negócio enquanto se exploram novas oportunidades (37%).

O caminho para o sucesso

As empresas que procuram um crescimento disruptivo através da construção de ecossistemas devem, segundo o estudo desenvolvido pela Accenture Strategy, definir uma visão, identificar os parceiros certos e organizar o ecossistema. Para que os ecossistemas gerem crescimento, é importante considerar os objetivos estratégicos e de inovação. De acordo com a consultora, “quando combinam as suas forças com capacidades funcionais, tecnológicas e de indústria, os players do ecossistema conseguem gerar propostas novas e entusiasmantes e alargar a sua atividade a novos mercados”

O sucesso do ecossistema depende da escolha dos parceiros. A Accenture aconselha os executivos a procurarem organizações que tenham capacidades complementares, um mindset colaborativo, experiência de indústria, relação com clientes e dados relevantes e a clarificarem a partilha da informação e a avaliação do sucesso.

O ecossistema pode ser criado e operacionalizado quando as empresas líderes de mercado e com capacidades distintas se unirem com uma visão e resultados partilhados. O processo envolve planear e testar o design do ecossistema e a sua entrada no mercado. Ecossistemas bem-sucedidos permitem às empresas gerar novo valor para além do que poderiam fazer de forma isolada.

 

Voltar à homepage

 

Mais notícias:

imprimir
Previous post

Cisco e Google Cloud unem-se para otimizar o futuro do trabalho

Next post

Bernardo Maciel, responsável pela iniciativa Heróis PME: "O que se exige aos Heróis Empresários é que tenham a cabeça no céu e os pés na terra"

IIRH

IIRH

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *