AtualidadeMercado de TrabalhoRecrutamento e seleção

Profissionais de engenharia esperam aumento salarial de 6%

Com o crescimento da economia portuguesa, o ano de 2018 irá caracterizar-se pelo aumento das atividades de recrutamento, particularmente nas áreas de Engenharia e Operações, seguindo a tendência do ano passado. As conclusões são de um estudo desenvolvido pela Robert Walters, consultora especializada na procura e seleção de postos intermédios e diretivos.

Cristiano Aron, diretor da Robert Walters em Portugal, afirma que “nas áreas de Engenharia e Operações, especificamente, espera-se um aumento médio de salários de 6% para postos mid-senior level, já que os empregadores se verão obrigados a adaptar às novas tendências salariais para poderem atrair novos candidatos e reterem talento”. “Devido à falta de candidatos no mercado, os empregadores terão de oferecer salários mais competitivos, pelo que antecipamos um aumento dos salários em 2018”, explica em comunicado enviado às redações.

A média de aumentos salariais, referida pelo diretor da empresa, varia consoante o cargo e os anos de experiência profissional. Se, por um lado, em determinados casos, os salários do ano passado se mantêm, por outro, esperam-se aumentos salariais acima dos 10%.

Os aumentos salariais irão beneficiar os profissionais com cinco a dez anos de experiência de trabalho em Engenharia e Operações e os profissionais que detenham mais de dez anos de experiência na área. Podem registar-se, no entanto, aumentos salariais significativos para alguns postos intermédios e diretivos que apresentem uma experiência inferior a cinco anos.

Maior procura de profissionais de Engenharia em 2018

A procura por profissionais de Engenharia e Operações disparou em 2017, sobretudo, por candidatos que demonstrassem boas capacidades de comunicação e gestão de operações e clientes – competências consideradas essenciais para o crescimento do negócio. O estudo desenvolvido pela Robert Walters prevê que esta tendência continue em 2018.

Esta procura crescente, consequência da melhoria económica, conduziu a uma maior contratação de profissionais, especialmente nos postos intermédios e diretivos. Nos postos em que os salários se mantiveram estáveis face a 2016, por outro lado, os empregadores tiveram grande dificuldade em atrair novos candidatos altamente qualificados.

Em 2018, a demanda por estes profissionais vai continuar, nomeadamente por especialistas em Logística e Procurement e profissionais com experiência em Produção.

Espera-se, ainda, que surjam novos postos na indústria pesada, automóvel, transportes e setores de distribuição, bem como FMCG. A procura de profissionais nestas áreas é superior à oferta nacional, pelo que, de acordo com a pesquisa conduzida pela consultora, se vão verificar aumentos salariais em vários postos em relação ao ano passado.

Os postos em que se espera um maior aumento salarial, este ano, incluem Plant Managers, cujos salários podem aumentar mais de 15% se se tratar de uma mudança de emprego em profissionais com dois a cinco anos de experiência e até 10% para aqueles que levam mais de uma década na profissão. Diretores de operações, pela crescente procura, poderão ter aumentos salariais entre 6 e 21% consoante os anos de experiência no cargo ou na empresa, o seu perfil e qualificações específicos e a dimensão da empresa.

Em Portugal, esta variação salarial para postos mid-senior level é mais acentuada dependendo da dimensão das empresas, pelo que poderá vir a observar-se aumentos salariais superiores nas grandes companhias ou na mudança de emprego de uma PME para uma grande companhia.

Aumentos salariais podem não ser suficientes para atrair e reter talento

No entanto, os aumentos salariais poderão não ser atrativo suficiente para manter os melhores candidatos nos cargos e atrair novos profissionais, já que há outros fatores a ter em conta para atrair e reter talento em 2018. Além disso, assiste-se, nos últimos anos, a uma fuga de profissionais portugueses altamente qualificados para outros países da Europa e América Latina, que oferecem melhores condições e qualidade de vida, o que explica, também, a falta de oferta de candidatos face à crescente procura.

Para que um posto de trabalho seja atrativo, os profissionais destas áreas consideram fundamental, adicionalmente ao salário, a existência de planos claros de progressão de carreira, o grau de responsabilidade do cargo, work-life balance, modelos focados em resultados, flexibilidade no trabalho, a possibilidade de trabalhar a partir de casa e a formação dentro da empresa, segundo os dados recolhidos no questionário realizado pela Robert Walters a profissionais de Engenharia e Operações.

A maioria dos candidatos valoriza empresas com valores e ética corporativa bem definidos, vendo como incentivo laboral a preocupação da empresa com o ambiente e atividades de team-building que favoreçam a colaboração dentro das equipas no trabalho.

 

Mais notícias:

 

Facebook
image_pdfimage_print
Previous post

Meta4 apresenta solução para fazer crescer as empresas

Next post

uMan Global HR reforça posição junto dos gestores de RH

Ana Silva

Ana Silva

No Comment

Deixar uma resposta