ArtigosAtualidadeFormação e coaching

Qual o tipo de formação ideal para a empresa?

Cláudia Dias
Consultora de recursos humanos na Frederico Mendes & Associados

Sabe-se que as empresas que se focam no enriquecimento dos seus quadros e na formação dos colaboradores são, tendencialmente, as que demonstram uma maior facilidade em resistir a conjunturas económicas instáveis.

Já se informou acerca dos tipos de formação disponíveis e respetivas vantagens inerentes? Verifique qual a melhor aposta.

1. Formação na empresa

A formação na empresa é mais rentável para os colaboradores:

  • Evita custos de deslocação: atendendo a que a formação decorre na própria empresa, os colaboradores não têm gastos adicionais ao nível da deslocação;
  • Evita a perda adicional de tempo com viagens: os colaboradores podem fazer uma melhor gestão do seu tempo e dedicar horas que, por norma, seriam gastas nas viagens para o respetivo local de formação fora da empresa, no desenvolvimento de novas atividades;
  • Dilui os custos quando o número de formandos é elevado: apesar de estas formações serem, por norma, mais dispendiosas, no caso do número de formandos ser representativo, os custos da formação são melhor diluídos entre os mesmos.
2. Formação à medida

A formação à medida permite desenvolver os conteúdos de acordo com a expectativa da empresa:

  • Intervém mais profundamente em temáticas que se demonstram críticas para os formandos: é cirúrgica no que respeita a conteúdos que poderão ser relevantes para o percurso profissional dos formandos;
  • Permite a utilização de exemplos específicos da área de atividade em que a empresa se insere: frequentemente recorre a exemplos que ilustram problemas e desafios com os quais a empresa tem que lidar e para os quais são necessários valências específicas dos formandos;
  • A duração poderá ser ajustada, bem como os horários para frequência: existe uma preocupação em adaptar a carga horária e a frequência das formações às necessidades e disponibilidade dos formandos;
  • Os custos são mais reduzidos, pois permite versar apenas sobre o pretendido: a intervenção à medida das necessidades e expetativas da empresa permite que os investimentos levados a cabo sejam estratégicos;
  • Possibilidade de escolher o formador mais adequado: mediante demonstração de capacidades por parte dos formandos, é manifestamente mais fácil perceber qual o que melhor se enquadra no respetivo perfil.
3. Formação por catálogo

A formação por catálogo é útil para responder a necessidades muito concretas de competências.

  • Serve mais adequadamente para casos em que o número de formandos é reduzido: a formação por catálogo apenas é possível quando o número de formandos é reduzido, para que a intervenção seja a mais personalizada possível;
  • Muitas vezes está associado a cursos ministrados por entidades especializadas no tema: existe a participação de entidades especializadas que ministram os cursos sob uma perspetiva mais incisiva;
  • Normalmente apresentam uma estrutura programática de menor dimensão horária: uma vez que o foco nos conteúdos relevantes é maior, a quantidade programática é menor face a outros tipos de formação.

Por fim, é de igual importância frisar que, independentemente da modalidade de formação pela qual a empresa opte, o investimento na formação assume um papel preponderante quer no desenvolvimento de competências dos colaboradores, quer no desenvolvimento organizacional.

 

Voltar à homepage

 

Mais notícias:

imprimir
Previous post

Jorge Jesus: “Mandar é fácil. Saber mandar é que é difícil”

Next post

É possível transformar organizações através da formação dos seus líderes? Parece que sim

IIRH

IIRH

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *