Liderança & gestãoMercado de Trabalho

Recursos Humanos destacam formação e desenvolvimento como prioridade

Mais de metade dos inquiridos vê na formação uma prioridade.

A Michael Page revela os dados do Barómetro de RH para Portugal, onde revela a evolução dos Recursos Humanos para parceiros estratégicos e operacionais das empresas nacionais.

Por um lado, a importância estratégica dos Recursos Humanos dentro das empresas em Portugal está a caminhar em direção a um posicionamento de parceria, com 56% dos líderes de gestão inquiridos a reportar diretamente à direção .

Por outro lado, os critérios de medição de sucesso de RH apontados pelas empresas em Portugal demonstram uma clara preocupação pela avaliação do desempenho (91%, face a 72% a nível global) e competências dos seus colaboradores (68%, face a 43%).

Em contrapartida, a grande prioridade dos RH em Portugal é a formação e desenvolvimento dos colaboradores (55%), estando alinhada com o principal foco de investimento a nível global. Também em linha com a tendência global, em terras lusas a diversidade e inclusão parece ser apenas uma ideia teórica, considerada menos essencial para o sucesso do negócio, tendo sido apontada como prioritária apenas por 2% das empresas inquiridas. A nível global, foi apenas referida por 4% das empresas.

Contrariamente ao registado globalmente, em Portugal o segundo foco considerado essencial para o sucesso é a gestão de desempenho (32%), e a aquisição de talento/recrutamento (32%). Apesar de as diferenças percentuais não serem muito acentuadas, a nível global a gestão de talento e a formação e desenvolvimento estão no topo da lista de prioridades, referidas por 33% das empresas em ambos os casos. São seguidas pela aquisição de talento/recrutamento (32%), sendo que a gestão de desempenho surge apenas em quarto lugar (28%)

“O Barómetro de RH e a sua análise deixam claro que os RH precisam de se posicionar de forma a satisfazer as necessidades de talento das empresas em Portugal e serem um agente de mudança; por outras palavras, devem agir como um parceiro estratégico de negócio, ajudando a conduzir a organização e os seus colaboradores,” conclui Lourenço Cumbre, manager da Michael Page Human Resources.

Lourenço Cumbre adianta que “há ainda espaço para evoluir, especialmente no que concerne a avaliação de KPIs de RH como uma base sólida para as tomadas de decisão, bem como ao nível da diversidade e inclusão. Acredito que os desafios da competitividade global, mudanças demográficas e volatilidade de mercado levarão cada vez mais as empresas a confiarem aos RH um papel permanente nas tomadas de decisão.”

A influência dos Recursos Humanos

No papel de atuação e influência dos Recursos Humanos é notória a predominância de responsabilidades estratégicas significativas, constatada por 80% dos líderes de RH, bem como o peso da experiência profissional, já que a maioria dos líderes inquiridos trabalha na área há mais de 15 anos.

Em Portugal, os líderes de RH inquiridos apontam como principais funções a gestão de desempenho dos colaboradores (96%), seguida pela definição e gestão de políticas de RH e pela relação com os colaboradores (ambas com 90%).

Em segundo plano, mas sem grande diferença, figuram as funções de aquisição de talento/recrutamento (89%), de formação e desenvolvimento (88%) e de gestão de compensação e benefícios (82%).

Lá fora, as prioridades em termos de funções são um pouco diferentes, os líderes de RH estão mais focados em funções de aquisição de talento e recrutamento (86%), de implementação de políticas de RH (83%) e na gestão da relação da empresa com os seus colaboradores (81%). Neste caso, seguidas pela formação e gestão de desempenho (79%), gestão de talento (78%) e a gestão de compensação e benefícios (75%).

Employer branding como uma forma de facilitar o recrutamento

Paralelamente ao crescimento do orçamento de RH para recrutamento, as empresas devem ainda preparar-se para o aumento de iniciativas de employer branding, com o propósito de enfatizar as suas caraterísticas únicas, diferenciando-as da concorrência no mercado de trabalho.

A nível global, quase metade das empresas inquiridas indica que o departamento de Marketing é responsável pelo employer branding junto dos colaboradores da empresa (46%), seja atuando sozinho ou conjuntamente com os RH. Contudo, quando se trata de recrutamento, os RH são o principal responsável pelo employer branding, isoladamente ou em conjunto com o Marketing (69%).

 

Gostou deste estudo? Partilhe nas redes sociais!

image_pdfimage_print
Previous post

Editora RH lança a oitava edição de Manual de Comportamento Organizacional e Gestão

Next post

Descubra quais são as 10 tendências digitais de 2016

Cristina Barros

Cristina Barros

Managing director do IIRH

1 Comment

  1. 9 Outubro, 2016 at 16:03 — Responder

    Sem dúvida. Os departamentos de RH são cada vez mais preponderantes para o sucesso empresarial, assim como os departamentos comerciais e de marketing. É neles que reside grande parte do sucesso da empresa, de mãos dadas com a qualidade do produto/serviço oferecido.
    http://www.maiscursos.org/

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *