ArtigosAtualidadeTecnologia e Inovação

Requalificar pode ser a solução! Desemprego. Falta de oportunidades. Emigração.

Autora do Artigo:
Catarina Fonseca – Diretora Geral da iTGROW e Responsável da área de Qualificação de Pessoas na CRITICAL Software

Desemprego. Falta de oportunidades. Emigração.

Todos os dias somos confrontados com números derrotistas, taxas de desemprego que nos impressionam, com o reflexo de uma situação económica que, embora recuperando, não consegue assegurar empregabilidade e estabilidade suficientes. Muitos jovens, mesmo com formação superior, vêm-se obrigados a emigrar para encontrar o percurso profissional que ambicionam. Um cenário que nos angustia, que nos preocupa e nos faz pensar que alguma coisa devemos estar a fazer mal, que nos estimula a pensar em soluções alternativas.

Há, no entanto, um setor de atividades onde a tendência é outra, onde as oportunidades abundam e os recursos qualificados escasseiam, onde há muitos empregadores a recrutar e nenhum desempregado. Um mundo à parte, fruto da revolução digital que está a acontecer todos os dias, onde tudo avança de uma forma rápida e avassaladora. Basta pensarmos na popularização da internet para nos apercebermos da rapidez desta evolução: já quase não nos lembramos de como era a nossa vida sem internet mas a verdade é que é um fenómeno relativamente recente, que modificou completamente a sociedade e lhe abriu as portas para tantas vantagens e facilidades. Informação, interatividade, relações pessoais, novas formas de fazer negócio, notícias, compras e outras necessidades do dia-a-dia ganharam um grande espaço e um novo paradigma de funcionamento na web. O mundo parece que está pequeno, pois não há distância geográfica nem informação/serviço ou produto que não seja possível alcançar a partir de qualquer lugar.

E o que podemos fazer para tirar partido deste mundo tecnológico cheio de oportunidades em expansão, melhorando o angustiante cenário do desemprego?

Certamente não haverá uma solução única para um problema com esta dimensão e complexidade, mas uma reposta interessante parecem ser os Programas de Requalificação que começaram a surgir. São dirigidos a pessoas com curso superior em áreas muito diversas, com forte aptidão para as tecnologias de informação, determinadas a participar ativamente na construção do seu próprio futuro. Trata-se de formação superior, com forte componente prática, dirigida às necessidades das empresas, com estágio incluído e garantido para todos os que têm sucesso na parte letiva do curso, em que os formandos aprendem a programar, programando.

O modelo funciona, e tem provas dadas, em programas como o Acertar o Rumo (Curso de JAVA na Universidade de Coimbra), SwITch (Curso de JAVA do Instituto Superior de Engenharia do Porto) e Apostar em TI (Curso de Sistemas Embebidos do Instituto Superior de Engenharia de Coimbra). Mais de uma centena de pessoas já passaram por esta experiência em 4 anos, ousando investir na sua formação num momento difícil das suas vidas, mostrando ter força e determinação para inverter a situação em que se encontravam, capacidade para aprender e acompanhar este fascinante mundo novo com um entusiasmo que hoje lhes faz os olhos brilhar. Pessoas que nos mostram que é possível passar de uma situação de desemprego para recurso altamente apetecível no mercado, escolher a empresa onde se trabalha em vez de ser escolhido.

Há quem defenda que todos temos o direito de fazer o curso superior dos nossos sonhos mesmo que depois não nos esteja assegurada a integração imediata no mercado. Mas nesse caso temos de estar preparados para complementar as formações académicas de base com as competências que o mercado precisa, temos de estar disponíveis para requalificar. Os Programas de Requalificação têm de passar a fazer parte integrante da oferta formativa das nossas escolas de ensino superior, assumindo-se estas iniciativas como parte da resposta aos problemas de desemprego e escassez de recursos tecnologicamente qualificados. Por enquanto, está tudo dependente de iniciativas regionais e da vontade individual de cada formando.

Cada um de nós pode escolher fazer parte deste novo mundo, decidir aprender, evoluir, qualificar-se, posicionar-se num mercado cheio de oportunidades, de desafios profissionais, de carreiras promissoras.

Existem alguns programas em Portugal que se apresentam como soluções interessantes para quem quer apostar nas tecnologias de informação, requalificar-se e ajustar o seu rumo profissional direcionando-o para uma área de pleno emprego.

Como quase tudo na vida, é principalmente uma questão de vontade, de determinação, de atitude. Fatores verdadeiramente diferenciadores que tornam o sucesso possível, mesmo nos contextos mais adversos.

 

Voltar à homepage

 

Mais notícias:

Facebook
image_pdfimage_print
Previous post

Martin Henk, cofundador da Pipedrive: “Os portugueses são extremamente focados, trabalhadores e comprometidos com o projeto”

Next post

Employee branding: chegou o momento dos recursos humanos brilharem

Vanessa Henriques

Vanessa Henriques

Diretora Executiva da RHmagazine

No Comment

Deixar uma resposta