AtualidadeLiderança & gestão

Risco cibernético: a maior ameaça para as empresas

A Câmara de Comércio, em Lisboa, foi o palco escolhido para debater, no passado dia 23 de janeiro, aquela que é considerada uma das maiores ameaças para as empresas em Portugal e no mundo – o risco cibernético. De acordo com os dados apresentados pela MDS, corretora de seguros, 49% das empresas europeias foi vítima de ataque ransom em 2016 e mais de 50% das empresas que sofreu um ataque de cibersegurança (uma em cada três) viu esse incidente ser tornado público.

O risco cibernético originou perdas económicas de 53 mil milhões de dólares – superiores ao impacto de catástrofes naturais, como o furacão Sandy. Às empresas coube pagar uma pesada fatura: 29% perdeu receitas, 22% perdeu clientes e 23% perdeu oportunidades de negócio.

Por cá, 25% das empresas portuguesas foi atingida por ataques cibernéticos e Portugal ocupa o sexto lugar da lista mundial de países com maior número de computadores infetados por vírus.

Para Carla Zibreira, Head of Consultancy da S21sec, as empresas devem proteger os “ativos críticos” onde estão alocados os dados e a informação. “A motivação pelo cibercrime, que atua sobre as infraestruturas e plataformas digitais, advém do valor e do poder dos dados e da informação”, começou por esclarecer.

Na perspetiva da especialista em segurança e informação, “os ataques são sofisticados e exploram a velocidade”. Por isso, “as empresas devem ter capacidades tecnológicas para fazer face aos riscos”, afirmou. Mas a resposta deve residir numa “solução integrada de cibersegurança que inclui os processos, a tecnologia e as pessoas”, acrescentou.

A concorrência entre as empresas é feroz, mas no que toca ao cibercrime torna-se fundamental a existência de um mecanismo de cooperação. “Se aconteceu à empresa A, vai acontecer à empresa B do mesmo setor de atividade. É importante estar atento. Os ciber riscos são silenciosos e afetam todos os frameworks da organização”, alertou. A imagem e a reputação das organizações são afetadas, têm elevados custos e são difíceis de medir.

 

Mais notícias:

Facebook
image_pdfimage_print
Previous post

Isabel Moço assume Direção da SGS Academy Portugal

Next post

Talentia Software anuncia parceria com a Uniksystem em Portugal

Ana Silva

Ana Silva

No Comment

Deixar uma resposta