AtualidadeLiderança & gestão

Servant leadership: a alternativa aos modelos de liderança convencionais

A liderança servente, em inglês servant leadership, é um modelo de liderança alternativo aos modelos padronizados que se centram nos objetivos organizacionais.

Desenvolvido por Robert Greenleaf, em 1970, este modelo entende que o ato de liderar deve traduzir-se no ato de servir. Para o líder servente, as suas prioridades são as necessidades dos colaboradores da organização. Considerada um fator de sucesso empresarial por especialistas em gestão, a liderança servente foi implementada em empresas como a Southwest Airlines, Marriott International, SAS, Nordstorm e Starbucks.

Greenleaf, na sua obra The Servant as Leader, define o líder servente como o servo que se rege pelo sentimento natural de querer servir. O líder servente não se assemelha ao líder convencional. A diferença manifesta-se nos cuidados prestados pelo servo, cuja prioridade é garantir que as necessidades dos outros são atendidas. O desejo de servir é uma característica fundamental do líder servente, mas não se trata de ser criado, considerando a definição da palavra. Trata-se de querer ajudar os outros, de identificar e atender às necessidades de colegas, clientes e comunidades.

A liderança servente distingue-se das demais pela sua componente moral, não apenas no que toca à moralidade de cada indivíduo e à integridade do líder servente, mas também no que diz respeito à forma como encoraja os seus seguidores a desenvolverem um raciocínio moral. O foco incide em servir os seus seguidores para o seu próprio bem e não apenas para o bem da organização, criando relacionamentos de longo prazo com eles e incentivando o seu crescimento e desenvolvimento, para que, futuramente, possam alcançar o seu potencial. Distingue-se, ainda, pela auto-reflexão, como contra-defesa da incerteza do líder, e pela sua preocupação com o sucesso de todas as partes interessadas – funcionários, clientes, parceiros de negócios, comunidades e sociedade como um todo –, incluindo os menos privilegiados.

Formação em liderança servente

Dados os resultados da sua aplicação nas organizações e os desafios que se colocam na era digital, o projeto internacional Artful Leadership, apoiado pela Comissão Europeia através do programa Erasmus+, está a desenvolver uma formação piloto em servant leadership, recorrendo a um modelo de aprendizagem misto (blended learning). O seu objetivo é desenvolver uma nova geração de líderes serventes através das artes. O projeto recorre à matriz Artful Leader.

A formação inclui três sessões presenciais, quatro semanas de duração online, duas facilitadoras portuguesas, uma equipa de facilitadores e formandos internacionais e um grupo de discussão e partilha online. A participação é gratuita, mas sujeita a inscrição obrigatória. As próximas sessões decorrem nos dias 9 e 23 de fevereiro, das 17h às 20h.

Para conhecer o projeto clique aqui.

Com o mesmo objetivo, a Kaospilot scholl, escola dinamarquesa de empreendedorismo, design e inovação, irá ministrar uma masterclass nos dias 28 de fevereiro, 1 e 2 de março, em Lisboa, e 7, 8 e 9 de maio, no Porto, dedicada ao tema “A arte de desenhar e facilitar espaços de aprendizagem”.

 

Mais notícias:

Facebook
image_pdfimage_print
Previous post

Rodrigo Pestana Rica dirige áreas de Outsourcing e Trabalho Temporário no Grupo Multipessoal

Next post

8 grandes tendências de Recursos Humanos para 2018 em vídeo

Ana Silva

Ana Silva

No Comment

Deixar uma resposta