Pessoas

Sofia Veríssimo, country manager TomTom Portugal e Espanha: “Nunca senti qualquer tipo de diferenciação por ser mulher e liderar uma empresa”

Há dez anos na TomTom, Sofia Veríssimo é, desde o início do ano, a responsável pela gestão da empresa holandesa de sistemas de navegação digital em Portugal e Espanha. Gerir pessoas em países diferentes é, para a country manager, um desafio diário e gratificante, que a ajuda a crescer profissionalmente. Ao InfoRH, Sofia Veríssimo revelou que, como mulher e ao longo da sua carreira, sempre viu as suas competências e conhecimentos reconhecidos.

É a mulher responsável pela gestão da TomTom no mercado português e espanhol. Que caminho percorreu e que culminou, até ao momento, na sua nomeação como country manager da marca?

O meu caminho profissional começou há 16 anos. Trabalhei no setor do retalho e distribuição, geri diversas marcas e desenvolvi a estratégia de negócio, vendas e marketing de várias empresas. Passei por multinacionais como a Mars, Carrefour e Nintendo. O trabalho que desenvolvi ao longo dos primeiros anos da minha carreira, levou-me até à TomTom, em 2007. Na TomTom, fiz a gestão do negócio como country manager de Portugal, com responsabilidades nas áreas de marketing, comercial e PR, atingindo sempre resultados muito positivos. Em 2017, fui nomeada country manager para Espanha e Portugal, pelo que, presentemente, sou responsável pela estratégia e gestão de todo o negócio nos dois mercados.

A sua experiência profissional no setor da distribuição preparou-a para a atual função?

Sim, sem dúvida. Por um lado, o facto de sempre ter trabalhado em grandes empresas, com presença internacional, permitiu-me ter um maior conhecimento de processos e estratégias que as multinacionais adotam. Por outro lado, a própria génese de gestão de marcas, preparou-me também para as funções que assumi na TomTom, primeiro como country manager para Portugal e agora como country manager para Espanha e Portugal. Os conhecimentos de gestão de negócio, estratégia de vendas, marketing e comunicação, trabalho com clientes e prospects, gestão de investimentos e budgets, gestão de equipas e recrutamento, são uma mais-valia para alguém que assume a estratégia e gestão local de uma multinacional. Sinto que toda a experiência que adquiri ao longo dos anos foi sempre positiva e permitiu-me evoluir e ganhar competências enquanto profissional.

E como mulher encontra obstáculos associados, por um lado, ao cargo que desempenha e, por outro, ao setor tecnológico?

É uma honra ser a mulher a liderar as operações de uma empresa tecnológica em dois países da Europa, algo que, infelizmente, não é muito comum nos dias de hoje no setor da tecnologia. No meu caso, nunca senti qualquer tipo de diferenciação por ser mulher e liderar uma empresa. Acredito que, mais do que as questões de género, idade, nacionalidade ou outras especificidades, aquilo que é efetivamente relevante, são as competências e conhecimentos técnicos e sociais que os profissionais têm. No meu caso, e nos setores onde trabalho, sempre senti uma valorização dos meus pares face às competências e ao valor que um profissional poderá aportar a um determinado projeto. Considero, no entanto, que, habitualmente, as mulheres têm uma maior sensibilidade e ponderação, o que pode ser muito positivo na tomada de decisões em momentos importantes.

Que papel assume como responsável da multinacional?

O meu papel prende-se essencialmente com todo o trabalho relacionado com a gestão do negócio da TomTom, de forma a que os objetivos da companhia sejam sempre alcançados de forma exemplar em Portugal e Espanha. Garantindo sempre o alinhamento da estratégia com as diretrizes globais da marca, a consolidação da liderança de mercado e brand awareness. Esse trabalho envolve a gestão das equipas nos dois países, a definição de objetivos, toda a gestão e controlo das operações, vendas, marketing e PR, definição da estrutura de distribuição e ainda gestão de forecast, line-up, estrutura de pricing e optimização do budget nos dois países.

Que diferenças encontrou entre a gestão da TomTom em Portugal e a atual gestão ibérica?

São mercados que parecem similares, mas, na realidade, são díspares, o que nos obriga a ter de conhecer muito bem os parceiros locais e a realidade do negócio. Depois existem as barreiras da própria língua. É importante falar e escrever bem espanhol, para podermos comunicar com a equipa e com os parceiros de negócio. O facto de falarmos a sua língua, em Espanha, é muito valorizado. Adicionalmente, existem questões culturais, nomeadamente o facto de ser um povo muito protetor de tudo o que é espanhol.

E é um desafio gerir pessoas dispersas fisicamente e inseridas em diferentes contextos?

Sim, é um desafio gratificante, que me põe à prova e me ajuda a aprender diariamente e a crescer em termos profissionais. Presentemente, vou a Madrid, onde se encontra o escritório da TomTomem Espanha, de duas em duas semanas. Com a equipa de Portugal, a gestão acaba por se tornar mais fácil, porque estamos a falar de uma equipa que coordeno há mais de dez anos e com quem tenho absoluta confiança no trabalho desenvolvido. No caso de Espanha, a equipa e o desafio são maiores, sobretudo porque estamos a falar de mais pessoas, de um mercado maior que Portugal e do facto de ainda estarmos a afinar processos e formas de trabalhar. Ainda assim, o trabalho está muito bem articulado entre todos. Todas as segundas-feiras, realizamos uma videochamada, para fazer um ponto de situação de todos os temas e garantir que a equipa está envolvida e cumpre os objetivos definidos.

Quantos colaboradores gere?

Somos nove. A empresa tem equipas locais pequenas, muito focadas em vendas, marketing e PR. Serviços como recursos humanos, departamento financeiro ou logístico, estão sediados na nossa sede na Holanda.

Que estratégia tem sido adotada pela TomTom no desenvolvimento de novas tecnologias?

A TomTom é uma empresa tecnológica, pelo que a inovação e o desenvolvimento constante de novas soluções, faz parte do nosso ADN. A TomTom foi responsável pelo desenvolvimento do primeiro equipamento de navegação, uma das invenções mais influentes de sempre. Desde essa altura, evoluímos de uma start-up para uma empresa global de tecnologia. Desenhamos e desenvolvemos produtos de navegação inovadores, software e serviços, que são a base de centenas de milhões de aplicações em todo o mundo. Hoje, os serviços e software já representam 60% da companhia. Isto inclui produtos location-based líderes da indústria, tecnologias de desenvolvimento de mapas, soluções integradas de navegação automóvel, equipamentos de navegação portátil e apps, soluções avançadas para gestão de frotas e serviços para automóveis conectados. Combinando a nossa própria expertise em I&D com parcerias tecnológicas e de negócio, continuamos a moldar o futuro, liderando o caminho da condução autónoma, da smart mobility e das smart cities.

 

Voltar à homepage

 

Mais notícias:

 

Facebook
image_pdfimage_print
Previous post

Challenge accepted: desafios de um estagiário

Next post

Fórum RH 2018: estão abertas as acreditações

Mónica Felicidade

Mónica Felicidade

No Comment

Deixar uma resposta